Socialistas pedem "voto útil" para ganhar no Porto

Os socialistas pediram o voto útil aos simpatizantes de todos os partidos de esquerda para eleger Manuel Pizarro para a câmara do Porto, ontem, no comício de apoio ao médico que concorre pelo PS.

António José Seguro disse aos portuenses acreditar na viragem política no País e que o Porto "é o ponto de mudança".

Foi a primeira vez nesta campanha eleitoral que os socialistas pediram tão abertamente os votos dos cidadãos à esquerda do PS. Muita gente recebeu os socialistas no Porto, mas ainda assim menos do que no jantar de apoio à candidatura de Luís Antunes, o atual autarca da Lousã, e do que no Jardim da Sereia, em Coimbra, autarquia que Miguel Machado quer ganhar a João Barbosa de Melo (PSD).

A vitória no Porto seria especial, lê-se nas entrelinhas dos discursos de Seguro, mas o dirigente socialista continua a dizer que mais um voto já é uma vitória nas eleições autárquicas.

A campanha eleitoral socialista terminou ontem num comício de apoio em Coimbra, repetindo o sucesso nas iniciativas de Fafe, Braga, Viana do Castelo e Póvoa do Lanhoso. No Jardim da Sereia esteve António Arnaut, o pai do Serviço Nacional de Saúde, cujo presença António José Seguro agradeceu especialmente. Motivo para mais uma vez criticar os cortes do Governo, nomeadamente na saúde, na educação, nas reformas e pensões.

"O Porto precisa de mudar"

"Não queremos cá o Menezes. Para quê, para ficarmos a dever dinheiro?", diz José Gomes, 77 anos, ex-metalúrgico, que logo se lamenta dos parcos 370 euros de reforma. O amigo, Ernesto Couto, 80, ex-carpinteiro corrobora, acrescentando: "Sou do PS desde o início; desde que rebentou o 25 de Abril".

José Gomes conta que já foi atendido pelo internista Manuel Pizarro no Hospital de S, José no Porto. "É um médico muito atencioso e parece uma pessoa séria. O Porto precisa de mudar", opina. E para quê? "Para dar casas aos filhos e aos netos, a essa gente toda", responde Ernesto.

Mas também de futebol se fala num comício político. E o que muitos portuenses não perdoam a Rui Rio, que deixa a câmara, é que não tenha deixado o Futebol Clube do Porto festejar as vitórias na sede da cidade. "O FCP e o PS são os meus clubes, deus queira que ele [Manuel Pizarro] ganhe para deixar o Porto ir à Câmara", deseja Amélia Silva, 53 anos, ajudante de cozinha desempregada.

O Porto foi o segundo concelho a ser ontem visitado por António José Seguro, que se iniciou em Queluz, numa gesto de apoio a Basílio Horta e que o levou a fazer 400 quilómetros. O líder socialista justificou o esforço a favor de Basílio por este ser "um humanista" e ter conhecimentos para poder criar emprego no concelho.

A campanha eleitoral socialista terminou ontem num comício de apoio em Coimbra, repetindo o sucesso nas iniciativas de Fafe, Braga, Viana do Castelo e Póvoa do Lanhoso. No Jardim da Sereia esteve António Arnaut, o pai do Serviço Nacional de Saúde, cujo presença António José Seguro agradeceu especialmente. Motivo para mais uma vez criticar os cortes do Governo, nomeadamente na saúde, na educação,nas reformas e pensões.

Exclusivos

Premium

Leonídio Paulo Ferreira

Nuclear: quem tem, quem deixou de ter e quem quer

Guerrilha comunista na Grécia, bloqueio soviético de Berlim Ocidental ou Guerra da Coreia são alguns dos acontecimentos possíveis para datar o início da Guerra Fria, que alguns até fazem remontar à partilha da Europa em esferas de influência por Churchill e Estaline ainda o nazismo não tinha sido derrotado. Mas talvez 29 de agosto de 1949, faz agora 70 anos, seja a melhor opção, afinal nesse dia a União Soviética fez explodir a sua primeira bomba atómica e o monopólio da arma pelos Estados Unidos desapareceu. Sim, foi o teste em Semipalatinsk que estabeleceu o tal equilíbrio do terror, primeiro atómico e depois nuclear, que obrigou as duas superpotências a desistirem de uma Guerra Quente.