Socialistas fazem último apelo a PSD e CDS no IRC

Líder parlamentar do PS fez um derradeiro apelo na Assembleia da República, para acordo de reforma do IRC. Partido "continua disponível até ao fim para alcançar um bom compromisso"

Alberto Martins lançou esta noite um desafio ao Governo para que a maioria faça "prova real da sua disponibilidade para alcançar um compromisso nas alterações em sede de IRC".

Cerca das 20.30, num momento em que ainda decorria a reunião da Comissão de Orçamento e Finanças, que discute e aprova na especialidade as propostas de alteração ao IRC, o líder parlamentar socialista insistiu que "o Governo ainda está a tempo de aceitar as propostas do PS".

E avançou com três propostas para um eventual acordo: "A proposta de redução para metade da taxa sobre os lucros das PME [já rejeitada ontem, numa primeira votação], a proposta que impede os benefícios da tributação reduzida para operações especulativas [também rejeitada hoje] e a proposta, para a próxima legislatura, de articular novas descidas da taxa de IRC com descidas no IRS e no IVA", que o ministro Marques Guedes classificou de impossível, ao início da tarde.

Alberto Martins explicou que "esta última proposta não condiciona a descida do IRC para 2014. Isso não passa de uma invenção propagandística do porta-voz do Governo", acusou. Para sinalizar: "O PS continua disponível até ao fim para alcançar um bom compromisso."

Do lado socialista, a disponibilidade para o entendimento sustenta-se no facto de "em 60 páginas de votação o PS [ter votado] contra duas propostas do Governo". Conclusão do líder da bancada socialista: "Esta atitude mostra o sentido responsável e construtivo com que o PS está em todo este debate."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Crespo

No PSD não há inocentes

Há coisas na vida que custam a ultrapassar. A morte de alguém que nos é querido. Uma separação que nos parece contranatura. Ou uma adição que nos atirou ao charco e da qual demoramos a recuperar. Ao PSD parece terem acontecido as três coisas em simultâneo: a morte - prematura para os sociais democratas - de um governo, imposta pela esquerda; a separação forçada de Pedro Passos Coelho; e uma adição pelo poder que dá a pior das ressacas em política.