Socialista ou nacional-socialista?

A mulher do skinhead Mário Machado diz-se de esquerda em reportagem do Observador e mostra cartão do PS no Facebook, mas em 2007 dizia-se nacional-socialista - e foi detida com ele

Na sua página do Facebook, entre as várias fotos públicas em pose com amigas (e até do filho de cinco anos), Susana Machado colocou ontem ao fim da tarde a do seu cartão de militante do PS. A data de inscrição é 1997, na secção de Oeiras. Nascida em 1979, Susana Cristina Martins teria então uns 18 anos. Mas a militância está atualizada pelo menos até ao fim de 2013: transferida desde 2012 para uma secção de Cascais, pagou as quotas (um euro por mês) até ao final do ano.

Tudo parece então bater certo com a proclamação que Susana faz de ser "uma mulher de esquerda" e "pagar as quotas para poder votar no PS". Mas Susana Martins, aliás Machado, também deu (ou dá) pelo nome de "Susana Malvada", à imagem de Mário Machado, que se assina "Mário Malvado" (é aliás esse o endereço da sua página do Facebook). É com esse nome que está inscrita no Myspace. A sua página nessa plataforma ostenta uma foto em que aparenta menos uns anos e conexões que incluem a Feminae Honoratae F.H ("Mulheres honradas"), uma organização descrita no blogue de Mário Machado, "Homem Lobo" (em 2006) como fazendo parte do "movimento nacionalista" e tendo participado no segundo aniversário do Fórum Nacional. Em 2007, a mesma "Susana Malvada" assina uma mensagem no fórum nacionalista na Net (não acessível sem registo) que foi transcrita para um blogue.

Nessa mensagem, "Susana Malvada" afirma-se "nacionalista" e ter sido detida juntamente com o agora marido: "Depois de ter estado um pouco ausente, após os acontecimentos do dia 18 de Abril em que mais de 50 Nacionalistas foram detidos pela Polícia Judiciária entre os quais 4 mulheres sendo eu uma delas, aproveito agora já ter reunido forças para continuar a minha luta pelos meus ideais Nacionalistas para comentar as extraordinárias palavras do meu querido Mário. Sou testemunha após dois anos de relação da sua luta diária, em conjunto com os seus amigos mais chegados que fazem também parte deste Fórum e todos nós sabemos quem eles são, para que o Nacional-Socialismo tomasse uma dimensão muito maior em Portugal e todos que partilhassem as suas ideias se deixassem de sentir sós e desamparados (...) Logo espero que todos os Nacionalistas estejam tão gratos ao Mário e aos seus grandes amigos como eu estou por tudo aquilo que em conjunto com todos nós alcançaram!!! Resta-nos agora lutar para que esta obra permaneça intacta e rume para um ainda maior futuro próspero, pois o Mário que acabou por ficar injustamente com a pior medida de coacção possa ter orgulho de todos nós e ao menos tenha em mente que se encontra preso por uma boa causa!!! Retribuam agora tudo o que ele fez por vós."

Mário Machado, que em 1997 foi condenado a quatro anos e três meses de prisão por envolvimento no homicídio de Alcino Monteiro, um cidadão português de origem cabo-verdiana, em 1995 (Monteiro foi assassinado à pancada), seria condenado de novo em outubro de 2008, após um ano e um mês de prisão preventiva, a mais quatro anos e dez meses pelos crimes de discriminação racial, posse de arma, ameaça, coação e agressão. Em 2010 somam-se ao rol sete anos e dois meses de prisão, num processo em que outros envolvidos faziam parte do grupo que matou Alcino Monteiro. Os crimes pelos quais é considerado culpado são coação, roubo, sequestro e posse ilegal de arma. No processo foi julgado um grupo de que seria o líder e que, conforme se deu como provado, atraía pessoas, com o pretexto de lhes vender estupefacientes, para a seguir as agredir e roubar.

Cumprindo 10 anos de prisão (resultando de cúmulo jurídico), Machado já fez mais de metade da pena, tendo sido anunciada a sua saída em setembro. O seu casamento com Susana Martins data de 22 de fevereiro de 2011. A descrição da cerimónia, muito semelhante à feita pelo casal ao Observador, está no blogue "Alcateia", assinado por um "Timóteo Veiga" (nome que ecoa o de Timothy McVeigh, o bombista de Oklahoma ), que se descreve como "cativo".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

Conhecem a última anedota do Brexit?

Quando uma anedota é uma anedota merece ser tratada como piada. E se a tal anedota ocupa um importante cargo histórico não pode ser levada a sério lá porque anda com sapatos de tigresa. Então, se a sua morada oficial é em Downing Street, o nome da rua - "Downing", que traduzido diz "cai, desaba, vai para o galheiro..." - vale como atual e certeira análise política. Tal endereço, tal país. Também o número da porta de Downing Street, o "10", serve hoje para fazer interpretações políticas. Se o algarismo 1 é pela função, mora lá a primeira-ministra, o algarismo 0 qualifica a atual inquilina. Para ser mais exato: apesar de ela ser conservadora, trata-se de um zero à esquerda. Resumindo, o que dizer de uma poderosa governante que se expõe ao desprezo quotidiano do carteiro?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A escolha de uma liberdade

A projeção pública da nossa atividade, sobretudo quando, como é o caso da política profissional, essa atividade é, ela própria, pública e publicamente financiada, envolve uma certa perda de liberdade com que nunca me senti confortável. Não se trata apenas da exposição, que o tempo mediático, por ser mais veloz do que o tempo real das horas e dos dias, alargou para além da justíssima sindicância. E a velocidade desse tempo, que chega a substituir o tempo real porque respondemos e reagimos ao que se diz que é, e não ao que é, não vai abrandar, como também se não vai atenuar a inversão do ónus da prova em que a política vive.

Premium

Marisa Matias

Penalizações antecipadas

Um estudo da OCDE publicado nesta semana mostra que Portugal é dos países que mais penalizam quem se reforma antecipadamente e menos beneficia quem trabalha mais anos do que deve. A atual idade de reforma é de 66 anos e cinco meses. Se se sair do mercado de trabalho antes do previsto, o corte é de 36% se for um ano e de 45%, se forem três anos. Ou seja, em três anos é possível perder quase metade do rendimento para o qual se trabalhou uma vida. As penalizações são injustas para quem passou, literalmente, a vida toda a trabalhar e não tem como vislumbrar a possibilidade de deixar de fazê-lo.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

O planeta dos sustentáveis 

Ao ambiente e ao planeta já não basta a simples manifestação da amizade e da esperança. Devemos-lhes a prática do respeito. Esta é, basicamente, a mensagem da jovem e global ativista Greta Thunberg. É uma mensagem positiva e inesperada. Positiva, porque em matéria de respeito pelo ambiente, demonstra que já chegámos à consciencialização urgente de que a ação já está atrasada em relação à emergência de catástrofes como a de Moçambique. Inesperada (ao ponto do embaraço para todos), pela constatação de que foi a nossa juventude, de facto e pela onda da sua ação, a globalizar a oportunidade para operacionalizar a esperança.