Sintra: Basílio Horta (PS) lidera com 30%

O candidato Basílio Horta (PS) lidera a corrida para a presidência da Câmara de Sintra, com 30% das intenções de voto, embora esteja tecnicamente empatado com o independente Marco Almeida, que tem 27%.

Segundo a sondagem da Universidade Católica para o DN, com uma margem de erro de 2,8%, surge em terceiro lugar o candidato da coligação PSD/CDS/MPT , Pedro Pinto, com 16% - menos 11% que Marco Almeida, vice-presidente da autarquia social-democrata nos últimos anos e que o PSD preteriu na escolha para primeiro nome da sua lista.

O estudo atribui quatro a cinco mandatos para o PS, três a quatro para o Movimento Sintrenses com Marco Almeida (Mov.SPI), dois a três para a coligação Sintra Pode Mais (PSD/CDS/MPT) e um a dois para a CDU, admitindo que o BE também possa ter um.

Nas eleições de 2009, a coligação Mais Sintra (PSD/CDS) obteve 45,29% dos votos (e seis mandatos), o PS 33,75% (quatro mandatos), a CDU (PCP-PEV) 11,18% (um mandato), o BE 5,93% e o PCTP/MRPP 0,98%.

Nesta sondagem e antes da distribuição dos votos, 22% dos inquiridos disseram não saber em quem votar, 16% garantiram que não iriam votar e 5% recusaram responder. Registaram-se ainda 5% de votos brancos ou nulos.

A estimativa para Sintra apresenta em 4º lugar o candidato da CDU (PCP-PEV), Pedro Ventura, com 12%, seguido do nome proposto pelo BE, Luís Fazenda, com 5%.

Em sexto lugar surge o segundo independente, Barbosa de Oliveira (do Movimento Sintra Paixão com Independência, com 3%), seguindo-se os candidatos do PCTP/MRPP, António Laires (1%), do Partido pelos Animais e pela Natureza (PAN), Nuno Azevedo (1%), do Partido Trabalhista Português (PTP), João Massena (0,2%), do Partido Nacional Renovador (PNR), José Lucena Pinto (0,2) e do Partido Nova Democracia (PND), Nuno da Câmara Pereira (0,4%).

Ficha técnica:

Esta sondagem foi realizada pelo CESOP - Universidade Católica Portuguesa para o Diário de Notícias, a Antena 1 e a RTP nos dias 21 e 22 de setembro de 2013. O universo alvo é composto pelos indivíduos com 18 ou mais anos recenseados eleitoralmente e residentes no concelho de Sintra. Foram selecionadas aleatoriamente 6 freguesias do concelho de Sintra. A selecção aleatória das freguesias foi sistematicamente repetida até que as médias dos resultados eleitorais das eleições autárquicas de 2001, 2005 e 2009 nesse conjunto de freguesias, ponderado o número de inquéritos a realizar em cada uma, estivessem a menos de 1% do resultados dos cinco maiores partidos ao nível do concelho. Os domicílios em cada freguesia foram seleccionados por caminho aleatório e foi inquirido em cada domicílio o mais recente aniversariante recenseado eleitoralmente no concelho. Foram obtidos 1261 inquéritos válidos, sendo que 57% dos inquiridos eram do sexo feminino. Todos os resultados obtidos foram depois ponderados de acordo com a distribuição da população com 18 ou mais anos residentes no concelho, na base dos dados do recenseamento eleitoral. A taxa de resposta foi de 71,5%*. A margem de erro máximo associado a uma amostra aleatória de 1261 inquiridos é de 2,8%, com um nível de confiança de 95%.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.