Silva Pereira responde a Eduardo Catroga: a carta "está cheia de falsidades históricas"

Ex-ministro de Sócrates devolve a acusação a Catroga de que está a falsear a história do pedido de ajuda financeira. Mantém que foi o chumbo do PEC IV que torna o PSD "diretamente responsável" pela vinda da troika.

Também numa carta de resposta a Catroga, a que o DN teve acesso, Pedro Silva Pereira argumenta que a questão política da "vinda da troika" não consiste em saber quem formalmente a requereu - que só podia ser governo em funções, embora demissionário.

"A verdadeira questão política está em saber quem é que, no auge da crise das dívidas soberanas, tornou a vinda da "troika" inevitável por ter rejeitado no Parlamento o programa alternativo apoiado pelos nossos parceiros europeus, pela Comissão Europeia e pelo BCE", escreve o ex-governante. Silva Pereira refere-se ao chumbo do PEC IV e à consequente crise política, a 23 de março, que levou à queda do governo de José Sócrates.

"É nesse sentido que o PSD é directamente responsável pela "vinda troika", que aliás desejou na sua ânsia de chegar ao poder e de implementar o seu programa neoliberal. Isso mesmo reconheceu o dr. Passos Coelho: "a troika veio a nosso pedido" (JN, 30-4-2011)!, refere ainda.

Conrtra a relativização do papel do PSD nas negociações com a troika, Pedro Silva Pereira relembra as "abundantes declarações públicas" de Eduardo Catroga em que se "gaba do contrário". Recorda que o PSD enviou 5 cartas (e não 4 como refere Catroga) ao governo com conhecimento à troika, que são "provas escritas e irrefutáveis da participação activa do PSD no processo negocial".

Afirma ainda que é "igualmente falso" que, como ministro da Presidência, tenha ignorado o PSD ao longo deste processo. Diz que respondeu a duas missivas, a 26 e 29 de abril, com "abundante informação anexa", e que foi Catroga, em nome do PSD, que se recusou a a reunir com consigo, ao contrário dos outros partidos com assento parlamentar.

O ex-braço direito de José Sócrates no governo insurge-se contra o facto do Catroga negar a opção do governo "ir além da troika" na austeridade. "O Governo PSD/CDS optou por aplicar, com consequência desastrosas, o dobro da austeridade que estava prevista no Memorando inicial".

Ler mais

Exclusivos