Setenta personalidades querem reestruturação da dívida

Ferreira Leite, Bagão Félix, Adriano Moreira, Freitas do Amaral, Ferro Rodrigues, João Cravinho, Carvalho da Silva e Francisco Louçã assinam outro consenso, ao fazerem este apelo mesmo "a contragosto da Alemanha"

Num manifesto a divulgar na íntegra quarta-feira, mas já antecipado esta terça-feira pelo jornal Público, setenta personalidades exigem a "reestruturação responsável da dívida", uma condição para que acabe a austeridade pela austeridade e permita o crescimento e a criação de emprego.

É um consenso alargado, que percorre todo o espectro político, da direita à esquerda, das áreas do CDS ao Bloco de Esquerda, passando pelo PSD, PS e PCP - mas longe do entendimento político que o Presidente da República tem pedido aos chamados partidos do "arco da governabilidade" (PSD, PS e CDS). Se estes 70 nomes terão ideias diferentes sobre como gerir a crise, num ponto estão de acordo para fazer este apelo em comum: reestruturar a dívida.

A ideia partiu do antigo ministro socialista, João Cravinho, que apelou ao "debate e à preparação, em prazo útil, das melhores soluções para a reestruturação da dívida, articulando-se com os professores Eduardo Paz Ferreira e José Reis e o ex-ministro das Finanças de um governo PSD/CDS, Bagão Félix.

Em declarações à agência Lusa, Cravinho assegurou que "há condições de base mínimas e um larguíssimo consenso" sobre a necessidade de "saber em que condições é que se pode fazer uma restruturação que seja efetivamente eficaz, que resolva os problemas" quer de Portugal, quer da Europa.

Os autores deste texto deixam claro que reestruturar a dívida não é sinónimo de não pagar. Daí o manifesto pedir uma "reestruturação responsável da dívida" feita "no espaço institucional europeu, embora provavelmente a contragosto, designadamente dos responsáveis alemães".

Manuela Ferreira Leite, António Capucho, Adriano Moreira, Freitas do Amaral, Ferro Rodrigues, João Cravinho, Carvalho da Silva e Francisco Louçã são outros dos que acompanharam a subscrição do documento. Também entre os patrões há quem subscreva o pedido: António Silva, da CIP, e João Vieira Lopes, da CCP.

Na lista a divulgar na íntegra, há constitucionalistas, economistas, ex-ministros da Economia, como Braga da Cruz, e antigos reitores, como Sampaio da N"óvoa e Adriano Pimpão.

[atualizada com declarações de João Cravinho]

Exclusivos