Seguro garante que não apanhou nenhum susto

O secretário-geral do PS afirmou quarta-feira à noite que a sua principal responsabilidade enquanto líder "é unir e somar" e sustentou que na última reunião da Comissão Política não houve internamente "nem vencedores nem vencidos".

Entrevistado no programa "Negócios da Semana", na Sic Notícias, o secretário-geral do PS negou que tivesse apanhado um susto perante a hipótese de o presidente da Câmara de Lisboa, António Costa, se candidatar à liderança do seu partido.

"Absolutamente nenhum", respondeu, considerando, depois, que António Costa, além de "um político experiente, é um dos principais dirigentes do PS, é um excelente presidente da Câmara de Lisboa e, portanto, tem todo o direito a ter as suas opiniões pessoais e a dar os seus contributos".

Neste contexto, António José Seguro desdramatizou a situação interna no seu partido e disse que a Comissão Política do PS, na terça-feira, "teve um desfecho bastante positivo, em que os principais protagonistas deram contributos positivos para a vida do partido e do país".

"Essa é a minha responsabilidade. Um líder deve unir, deve somar e aqui estou para isso", declarou.

Interrogado se saiu vencedor da reunião da Comissão Política do PS, Seguro respondeu: "Quando o PS sai de um clima de união como o de terça-feira não há vencedores nem vencidos", disse.

Questionado sobre divergências de posições entre os socialistas, o secretário-geral do PS afirmou que não pretende liderar "um partido unanimista".

"A união não se constrói na unicidade mas na pluralidade. Quero um partido plural no debate e unido na ação", referiu.

Numa entrevista que incidiu sobretudo em temas económicos, o líder socialista defendeu ter conhecimento real da vida empresarial, rejeitou ser "um político de gabinetes ou de corredores" - ponto em que também recusou em absoluto ser um político populista.

"Sou um político responsável, que fala do rigor e que às vezes sou acusado de fazer poucas promessas", disse.

Na parte final da entrevista, Seguro foi questionado se arrisca dizer que será chefe de Governo mas só não sabe é quando.

"Arrisco dizer isso, é para isso que trabalho e é para isso que faço tudo para merecer a confiança dos portugueses", respondeu.

Depois, interrogado se vai provocar o momento para chegar à chefia do Governo, Seguro afastou essa via, alegando: "Não posso provocar nenhum momento, porque há uma maioria absoluta no Parlamento e tudo depende, quer dos partidos que fazem parte do Governo, quer do senhor Presidente da República", salientou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.