Seguro evitou votação do IRC para favorecer PME

O secretário-geral do PS disse hoje que conseguiu evitar uma votação do IRC para tentar que as Pequenas e Médias Empresas (PME) pudessem ter "uma redução efetiva", porque não são as "muito grandes empresas" que precisam de apoio.

Numa última tentativa de consenso com o PS, a maioria PSD/CDS decidiu adiar de hoje para a próxima semana a votação final da reforma do IRC, atitude que o secretário-geral do PS classificou como "muito positiva".

No jantar de Natal da federação do PS/Porto, Seguro disse que ainda hoje no parlamento teve "a oportunidade, em nome do PS, de evitar que houvesse já uma votação do IRC para tentar que as Pequenas e Médias Empresas do nosso país pudessem ter uma redução efetiva da taxa do IRC".

"Para nós, alterar as taxas do IRC só faz sentido se apoiarem as Pequenas e Médias Empresas. Porque as Pequenas e Médias Empresas representam mais de 90% do total das empresas do nosso país e empregam mais de 75% de todos os nossos trabalhadores. São essas que precisam de ser apoiadas. Não são as muito grandes empresas que precisam ser apoiadas", defendeu.

O secretário-geral socialista considerou que também nesta questão se nota uma diferença entre o PS e o Governo.

"O primeiro-ministro quer reduzir dois pontos percentuais na taxa do IRC, significa que as 20 empresas, as principais empresas cotadas na bolsa, poupariam num só ano cerca de 100 milhões de euros em impostos. A EDP, por exemplo, pouparia cerca de 20 milhões de euros num ano. Mas uma empresa que tenha 10 mil euros de lucro, sabem quanto é que poupa? Duzentos euros de impostos", exemplificou.

Segundo Seguro, "não é justo" que isto aconteça, considerando que é preciso "apoiar os mais pequenos, quem mais cria emprego no nosso país".

"Todas as empresas são importantes e são necessárias, mas, quando há uma descida de impostos, nós devemos em primeiro lugar fazê-los descer para as empresas de pequena e média dimensão. E foi isso que, mais uma vez, hoje fizemos no parlamento", justificou.

O socialista Eduardo Cabrita, presidente da comissão parlamentar de Orçamento, Finanças e Administração Pública, já tinha dito hoje que a votação final global da reforma do IRC ficou adiada para dia 20, havendo até lá contactos entre os partidos.

Em declarações à agência Lusa, Eduardo Cabrita explicou que haverá "uma reunião normal" da comissão parlamentar na quarta-feira e que, "até lá, haverá contactos" entre os partidos para avaliar como é que a comissão vai proceder aos trabalhos, sendo a votação final global do documento na próxima sexta-feira, dia 20.

O texto cuja votação foi adiada incide sobre um projeto de lei do PS que prevê incentivos à capitalização das empresas e uma proposta de lei do Governo que altera o código do IRC.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.