Seguro e Costa estimam gastar 328 mil euros na campanha

A candidatura do secretário-geral do PS antecipa um orçamento de 165 mil euros e a do autarca de Lisboa conta orçamentar 163 mil euros. Mas está tudo em aberto ainda até 14 de agosto, dependendo de eventuais novos candidatos.

António Costa e António José Seguro formalizaram esta terça-feira à tarde as suas candidaturas às eleições primárias do PS (que vão escolher o candidato socialista a primeiro-ministro), perante a Comissão Eleitoral, presidida por Jorge Coelho. Mas um e outro estiveram ausentes, fazendo representar-se por terceiros.

Do lado do autarca de Lisboa, Carlos César, o ex-presidente do Governo Regional dos Açores, que é o mandatário de Costa, entregou as 1500 assinaturas necessárias para formalizar a candidatura, acompanhado da deputada Ana Catarina Mendes e de outro militante do partido, José Manuel Mesquita. E o mandatário antecipou o orçamento da candidatura: 163 mil euros, estimando receber 150 mil do partido e 13 mil de donativos - que Carlos César diz pretender "entrarem por via do PS, para assegurar transparência total".

Já a candidatura do secretário-geral do PS, António José Seguro, conta ter um orçamento de campanha de 165 mil euros, valor que foi avançado por João Proença, ex-líder da UGT e dirigente socialista, que esteve acompanhado do líder parlamentar Alberto Martins, e dos também dirigentes Jamila Madeira e João Soares. Proença não detalhou a verba que a sua candidatura estima receber do partido, por dizer que esse valor poderá vir a ser alterado, dependendo de outras eventuais candidaturas que surjam.

Antes da formalização da candidatura de Seguro, fonte oficial avançou que o seu mandatário é Manuel Machado, atual presidente da Câmara de Coimbra e presidente da Associação Nacional de Municípios Portugueses.