Seguro diz que PS reitera o seu compromisso de apoiar pagamento da dívida externa

O secretário-geral do PS reiterou hoje o compromisso do seu partido com o cumprimento do pagamento da dívida externa, mas criticou o Governo por seguir uma estratégia de austeridade e não de promoção do crescimento.

António José Seguro falava aos jornalistas no final do debate quinzenal, na Assembleia da República, depois de confrontado com declarações proferidas pelo vice-presidente da bancada socialista Pedro Nuno Santos, que admitiu a possibilidade de Portugal ameaçar a Alemanha e França com o não pagamento da sua dívida.

Apesar da insistência dos jornalistas, o secretário-geral do PS recusou-se sempre a esclarecer se concordava ou não com as palavras de Pedro Nuno Santos, optando antes por sublinhar as divergências entre socialistas e Governo sobre o caminho para que Portugal consolide as suas finanças públicas de forma mais sustentável.

"Tive a ocasião de dizer ao senhor primeiro-ministro de que a melhor forma de Portugal honrar os seus compromissos [internacionais] é pelo lado do crescimento económico. Ao contrário do que o primeiro-ministro diz e pensa, não é empobrecendo que estamos em condições de pagar as nossas dívidas, mas criando riqueza e promovendo o crescimento económico", disse.