Seguro diz que há um apoio genuíno à sua liderança

O secretário-geral do PS afirmou hoje que a sua reeleição na liderança partidária por maioria esmagadora significa "um apoio genuíno" dos socialistas, salientando que se tratou do último ato eleitoral interno antes das eleições legislativas.

António José Seguro falava em resposta a questões de jornalistas, durante um encontro com jovens na sede nacional do seu partido, depois de ter vencido as eleições diretas no PS, realizadas no sábado, com cerca de 96 por cento, nas quais teve como opositor o militante Aires Pedro.

"Há um apoio genuíno dos socialistas. Este era o último ato antes das próximas eleições legislativas, ocorram elas quando ocorrerem. Sou um líder tranquilo, sempre fui um líder tranquilo, durmo descansado porque ajo de acordo com as minhas convicções", disse.

Na sua intervenção inicial, o reeleito secretário-geral do PS disse que tem pela frente um ciclo eleitoral "muito exigente" com eleições autárquicas, europeias e legislativas, "num momento difícil do país".

"Saúdo todos os socialistas que foram votar num ato eleitoral [diretas do PS] muito importante. Esta votação tão expressiva na minha reeleição como secretário-geral tem um duplo significado: O reconhecimento do trabalho realizado [nos últimos dois anos] e, sobretudo, um voto de confiança em relação à condução e liderança do partido", declarou.

António José Seguro agradeceu depois a confiança que lhe foi manifestada pelos militantes socialistas, dizendo que, "com muita humildade e com muita energia", tudo fará para não os desiludir.

"Tudo farei para que as nossas propostas sejam colocadas à disposição do país. É o país e os portugueses as razões de estarmos na vida pública", referiu.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?