Segurança Social nega campanha contra Santana

Gabinete de Mota Soares diz que fiscalização à Santa Casa da Misericórdia de Lisboa faz parte da gestão "corrente".

É a resposta oficial do Ministério da Solidariedade, Emprego e Segurança Social à notícia da auditoria à Santa Casa da Misericórdia de Lisboa: em causa não está qualquer ataque à gestão de Pedro Santana Lopes. Apenas um ato que se insere na fiscalização "corrente" que a Inspeção-Geral do Ministério da Solidariedade, Emprego e Segurança Social faz todos os anos. Recusado é igualmente o cenário de que a auditoria tenha o significado de uma jogada política destinada a afastar Santana Lopes de uma eventual corrida às presidenciais do próximo ano.

Numa nota enviada ao DN, o gabinete de Pedro Mota Soares - que o DN tentou, sem sucesso, contactar - assinala que aquela Inspeção-Geral, "como entidade independente", elabora anualmente o seu plano de atividades, no qual inclui auditorias a todos os organismos do Ministério.

Leia mais na edição impressa ou no e-paper do DN

Exclusivos