Secretário de Estado da Energia deixa o Governo

O secretário de Estado da Energia, Henrique Gomes, abandona o Governo no momento em que finalizava uma reforma para reduzir as margens de lucro das empresas de energia.

Artur Trindade, diretor da ERSE, o regulador do setor, vai assumir a pasta no ministério de Álvaro Santos Pereira amanhã, terça-feira, às 15h00.

Esta é a primeira demissão no Executivo de Passos Coelho, que tomou posse há nove meses.

Fonte governamental afirmou à Lusa que Henrique Gomes deixa o Executivo por motivos de "índole pessoal e familiar". Mais tarde, numa nota enviada às redações, o próprio Henrique Gomes confirmou a sua saída do Governo por razões "pessoais e familiares" e enalteceu o papel de Álvaro Santos Pereira na liderança do Ministério da Economia (leia documento anexo).

Mas nos últimos meses houve vários sinais de rutura entre o núcleo duro do Executivo e o secretário de Estado que criticou o "excessivo poder da EDP". Henrique Gomes terá ameaçado demitir-se no final do ano passado quando foi desautorizado por Santos Pereira sobre a proposta para criar uma taxa especial sobre as empresas de energia. Este ano, a secretaria de Estado encomendou um estudo sobre as "rendas excessivas" que o Estado paga e que a troika quer reduzir.

As conclusões foram criticadas pelo presidente da EDP, António Mexia.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

"Petróleo, não!" Nesta semana já estivemos perto

1. Uma coisa é termos uma vaga ideia de quão estupidamente dependemos dos combustíveis fósseis. Outra, vivê-la em concreto. Obrigado aos grevistas. A memória perdida sobre o "petróleo" voltou. Ficou a nu que temos de fugir dos senhores feudais do Médio Oriente, das oligopolísticas, campanhas energéticas com preços afinados ao milésimo de euro e, finalmente, deste tipo de sindicatos e associações patronais com um poder absolutamente desproporcionado.