Sampaio da Nóvoa tem o primeiro apoio formal de um partido. E é do Livre/Tempo de Avançar

Movimento decidiu por larga maioria, numa consulta online, que deve apoiar um candidato a Belém. E o escolhido é o ex-reitor da Universidade de Lisboa. Paulo Morais foi o segundo mais votado.

Sampaio da Nóvoa é o candidato oficial do Livre/Tempo de Avançar às eleições presidenciais de 2016, ao recolher 87,1% dos votos dos subscritores do movimento que na sexta-feira decidiram, numa votação online, que nome apoiar a Belém.

Numa primeira questão, os subscritores foram chamados a dizer se o Livre/Tempo de Avançar devia apoiar algum candidato. A resposta positiva foi dada por 79,7% dos subscritores que votaram, 19,6% disseram que não e 0,7% votaram em branco. Houve um total de 867 votos validados.

Já a segunda questão, de resposta aberta, pedia que fosse indicado um candidato que o movimento devia apoiar. E António Sampaio da Nóvoa (curiosamente, pai de André, um dos candidatos a deputado pelo Livre/Tempo de Avançar) foi apontado por uma esmagadora maioria. O Livre/Tempo de Avançar torna-se assim a primeira força partidária a oficializar o apoio a este candidato, que tem sido apontado como o candidato que o PS apoiará na corrida a Belém.

O segundo nome mais votado foi Paulo Morais, com 7,1% dos votos. O antigo vereador da Câmara do Porto recolheu mais votos que Henrique Neto, antigo deputado do PS, que obteve 4% das preferências dos subscritores. Outros dois nomes referidos são de cidadãos que já anunciaram intenção de se candidatar a Belém: a professora universitária açoriana, Graça Castanho, com 0,3%, e o socialista Cândido Ferreira (0,2%). Houve ainda 17,9 % de votos em branco e 7,6 % nulos sobre o total de votos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...