"Salário mínimo tem de aumentar nos próximos anos"

O ministro da Economia e Emprego reconheceu no Parlamento que o salário mínimo "tem de aumentar nos próximos anos", mas avisou que fazê-lo agora seria "meio caminho andado para o falhanço do País"

Um dia depois de Passos Coelho afirmar que o País terá de empobrecer, Álvaro Santos Pereira foi ao Parlamento, por requerimento do BE, para responder sobre as medidas para o emprego.

A deputada bloquista Mariana Aiveca abriu o debate a acusar o Governo de estar "numa corrida desenfreada para moldar o País à imagem de uma gigantesca fábrica dos subúrbios de uma qualquer capital asiática".

Aiveca resumiu o sentido da política de Passos Coelho numa frase: "É o despedimento low cost que coloca o emprego em saldos e os direitos na gaveta"

Álvaro Santos Pereira rebateu a crítica traçando uma diferença entre a "protecção das pessoas e do posto de trabalho". "Não é a mesma coisa."

"O que verdadeiramente nos preocupa são as pessoas," acrescentou explicando que o Governo quer defender o trabalhador dando-lhes meios para aumentar as suas condições de empregabilidade e não "o posto de trabalho e a falta de mobilidade".

Em resposta ao PCP, que o acusou de rasgar o acordo na concertação social sobre o aumento do salário mínimo, o ministro disse: "Eu também acho que o salário mínimo nacional tem de aumentar nos próximos anos. Mas só quando a economia crescer. Alguns partidos querem aumentar para 600 euros. É demagogicamente interessante. Mas eese aumento dos salários seria meio caminho andado para declararmos o falhanço de Portugal."

O PS não poupou o ministro a críticas dizendo que Álvaro Santos Pereira se arrisca a ficar para a história como "o ministro do desemprego".

O deputado Miguel Laranjeiro, uma semana depois de Rui Rio o dizer, afirmou que o primeiro-ministro "ao querer um Governo pequeno [entregando muitos dossiers ao ministro da Economia] criou um grande problema a Portugal".

"[...] Confundiu tudo e não consegue dar resposta a quase nada. Era uma míssão impossível para um ministro que embora possa ter muito boa vontade, não tem o peso político que muitos, e muitos na maioria que o apoia, já detectaram".

Laranjeiro deixou ainda um aviso à maioria contra a proposta de usar dinheiro do fundo da segurança social (guardado para as reformas) para apoiar as contratações.

Exclusivos

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Uma opinião sustentável

De um ponto de vista global e a nível histórico, poucos conceitos têm sido tão úteis e operativos como o do desenvolvimento sustentável. Trouxe-nos a noção do sistémico, no sentido em que cimentou a ideia de que as ações, individuais ou em grupo, têm reflexo no conjunto de todos. Semeou também a consciência do "sustentável" como algo capaz de suprir as necessidades do presente sem comprometer o futuro do planeta. Na sequência, surgiu também o pressuposto de que a diversidade cultural é tão importante como a biodiversidade e, hoje, a pobreza no mundo, a inclusão, a demografia e a migração entram na ordem do dia da discussão mundial.