"Saco azul" do Governo português financiou Savimbi

O ex-ministro da Defesa Castro Caldas afirmou hoje que o Fundo de Defesa Militar do Ultramar funcionava como um "saco azul" para financiar "operações encobertas" e apontou o antigo líder da UNITA Jonas Savimbi como um dos beneficiários.

"Mais tarde, como ministro, vim a ter o relato vivo de pessoal que participou em operações encobertas, como seja o financiamento do Savimbi", líder da UNITA (União Nacional pela Independência Total de Angola) que antes da independência do país lutou contra o regime colonial português e depois contra o governo angolano.

De acordo com Castro Caldas, Savimbi, que foi morto em 2002, foi "durante muito tempo financiado pelas Forças Armadas portuguesas"

"E a maneira que as Forças Armadas tinham de o fazer só poderia ser através de instituições semelhantes como esse fundo", declarou Júlio Castro Caldas.

Questionado sobre que conhecimento teve do Fundo de Defesa Militar do Ultramar (FDMU) na X comissão de inquérito à tragédia de Camarate, Castro Caldas disse que "a ideia que tem" é "esse fundo desapareceu do orçamento do ministério das Finanças que e em princípio terá havido uma consolidação que integrou as verbas".

"Se vim mais tarde a procurar o destino do fundo e se ainda existe saldo ? Eu acho que foi o professor Cavaco Silva [enquanto ministro das Finanças] que foi encarregado da compatibilização dos saldos dos fundo e integrá-los na organização do ministério das Finanças", disse.

Castro Caldas disse que, "pelo que pode perceber", o fundo funcionava "como um saco azul para financiar operações encobertas, algumas das quais o Estado português fez", indicando em seguida que teve "relatos vivos" da participação portuguesa no financiamento de Savimbi.

Questionado pelo deputado do PSD Miguel Santos, Castro Caldas disse não ser capaz de "repescar a memória da integração do fundo na contabilidade pública".

A 10ª comissão de inquérito ao caso Camarate visa averiguar as "causas e circunstâncias em que, no dia 4 de dezembro de 1980, ocorreu a morte do primeiro-ministro, Francisco Sá Carneiro, do ministro da Defesa Nacional, Adelino Amaro da Costa, e dos seus acompanhantes".

A anterior comissão de inquérito avançou para duas linhas de investigação que deverão ser agora retomadas: o comércio e exportação de material militar e a extinção do fundo de Defesa Militar do Ultramar.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?