Rio só admite avançar em "circunstâncias especiais"

O ex-presidente da Câmara do Porto Rui Rio admitiu hoje, em entrevista à TVI, que "não está para aí virado" quando questionado sobre a possibilidade de se candidatar à liderança do PSD. A fazê-lo, será no futuro e em circunstâncias especiais, explicou.

Neste momento, Rui Rio diz não estar "para aí virado" e defende que não faria sentido neste próximo semestre alguém vir perturbar o trabalho que está a ser feito pela liderança de Passos Coelho.

Rio apenas admite avançar no futuro para a chefia do Governo ou até à Presidência em circunstâncias em que a sua vontade "não mande mais que a vontade dos outros".

"Não estou para aí virado. Acho que não vou estar para aí virado nunca, a não ser em circunstâncias especiais", afirmou.

Questionado sobre eventuais expectativas de militantes no partido, Rio respondeu: "Não sei se o PSD está à minha espera ou não", defendendo que o primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, deve terminar a tarefa que tem pela frente.

"Não fazia sentido nenhum alguém dentro do PSD vir agora perturbar", as decisões que têm de ser tomadas no curto prazo.

O Conselho Nacional do PSD vai votar na terça-feira a realização de diretas para a liderança do partido a 25 de janeiro e de um Congresso nos dias 21, 22 e 23 de fevereiro.

Este é o calendário eleitoral proposto pela Comissão Política Nacional do PSD, que levará também ao Conselho Nacional propostas de regulamentos das diretas e do Congresso.

Na passada quarta-feira, o primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, afirmou que não tenciona colocar o lugar de presidente do PSD à disposição no curto prazo, confirmando que vai recandidatar-se, mas considerou natural que se pense na sua sucessão.

"Eu não tenciono colocar o meu lugar à disposição no curto prazo. Tenciono, antes pelo contrário, apresentar a minha recandidatura à liderança do PSD dentro de muito pouco tempo", declarou.

Pedro Passos Coelho foi questionado sobre este assunto a propósito da nova plataforma de debate político na área da social-democracia apresentada nesse dia, que algumas notícias associaram ao lançamento do ex-presidente da Câmara Municipal do Porto Rui Rio para a liderança do PSD.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Saúde

Empresa de anestesista recebeu meio milhão de euros num ano

Há empresas (muitas vezes unipessoais) onde os anestesistas recebem o dobro do oferecido no Serviço Nacional de Saúde para prestarem serviços em hospitais públicos carenciados. Aquilo que a lei prevê como exceção funciona como regra em muitas unidades hospitalares. Ministério diz que médicos tarefeiros são recursos de "última instância" para "garantir a prestação de cuidados de saúde com qualidade a todos os portugueses".