Reformas excecionais são "injustiça" para Seguro

António José Seguro diz que as reformas excecionais são injustas, mas remete para o líder parlamentar socialista, Carlos Zorrinho, a resposta à carta do seu homólogo social-democrata, Luís Montenegro, para rever os regimes excecionais de aposentação.

António José Seguro afirmou que, em outubro, os socialistas vão apresentar uma proposta no Parlamento para revogar o regime especial dos juízes do Tribunal Constitucional (TC).

O líder parlamentar social-democrata, Luís Montenegro, escreveu uma carta aos deputados socialistas no sentido de serem revogados os regimes especiais - os dos deputados e dos juízes do TC - que dispensa anos de serviço e de idade para a reforma.

Carlos Zorrinho, o representante dos deputados socialistas, respondeu em outra missiva que o texto de Luís Montenegro não "vem acompanhada de propostas" e que aguarda que elas sejam apresentadas à Assembleia da República para se "proceder ao respetivo debate".

Já quanto a afirmações de Paulo Portas, no sentido de que o país estava a recuperar da crise, Seguro comentou: "Só quem não conhece a realidade é que pode dizer isso".

O líder socialista falava aos jornalistas depois da arruada de apoio a Vítor de Sousa, que concorre para ocupar o lugar do socialista Mesquita Machado à frente dos destinos da câmara municipal de Braga. Foram muitos os apoiantes do candidato e que gritaram: "Sousa e Seguro aqui está o futuro".

Ler mais

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."