Reforço de capital deve ter dedução no lucro das firmas

O secretário-geral do PS, António José Seguro, propôs hoje que os reforços de capital feitos pelos empresários beneficiem de uma dedução nos lucros das respetivas empresas semelhante à dos empréstimos bancários.

No encerramento de uma conferência do Laboratório de Ideias e Propostas para Portugal (LIPP) no Centro Cultural Olga Cadaval, em Sintra, António José Seguro anunciou "uma proposta nova do PS" que, no seu entender, ajudará a fazer face aos problemas de tesouraria que muitas empresas portuguesas enfrentam.

"A minha proposta é muito simples, é que os empréstimos dos sócios das empresas possam beneficiar das mesmas condições dos empréstimos dos bancos", afirmou o secretário-geral do PS.

António José Seguro referiu que, atualmente, "um empresário, se for pedir dinheiro a um banco, os juros desse empréstimo deduzem nos lucros da empresa, são considerados como custos, mas se um empresário colocar dinheiro seu nessa mesma empresa, isso significa que não deduz absolutamente nada".

"Ora, o que eu proponho é que, quando um sócio de uma empresa coloca dinheiro nessa mesma empresa, beneficie exatamente das mesmas condições como se fosse ao banco pedir um empréstimo bancário", acrescentou.

Segundo o secretário-geral do PS, para além de ajudar aos problemas de tesouraria, esta medida tem outras duas vantagens: reduzir a dependência das empresas em relação ao crédito bancário e diminuir a transferência de recursos da economia para o setor financeiro.

"Aqui têm um exemplo concreto, uma proposta simples", concluiu António José Seguro, considerou que se poderá "discutir se ela deve ser transitória ou com caráter permanente" e se deve ser aplicada "a todos os setores ou só aos setores mais prioritários, como os dos bens transacionáveis".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Saúde

Empresa de anestesista recebeu meio milhão de euros num ano

Há empresas (muitas vezes unipessoais) onde os anestesistas recebem o dobro do oferecido no Serviço Nacional de Saúde para prestarem serviços em hospitais públicos carenciados. Aquilo que a lei prevê como exceção funciona como regra em muitas unidades hospitalares. Ministério diz que médicos tarefeiros são recursos de "última instância" para "garantir a prestação de cuidados de saúde com qualidade a todos os portugueses".