Recusar medidas é enfrentar Governo e 'correr com ele'

O coordenador do Bloco de Esquerda, Francisco Louçã, afirmou na noite de segunda-feira que o país não pode ter meias palavras e é preciso "correr com este Governo", pois se nada for feito "será ainda pior" no futuro.

"Não aceitamos a cobardia de adiar para depois de amanhã o que Portugal tem que dizer agora. Recusar estas medidas [de austeridade] significa enfrentar este Governo para correr com ele", disse Francisco Louçã, durante uma visita às festas da Moita

Segundo o coordenador da Comissão Política do BE, "o compromisso de um Governo de esquerda tem que ser, ao rejeitar o memorando da 'troika' [Comissão Europeia, Banco Central Europeu e Fundo Monetário Internacional], ter como primeira medida recuperar os salários e as pensões, pois a economia é o que faz a vida das pessoas".

Francisco Louçã defendeu que Portugal e a Europa precisam de uma "economia da sensatez", explicando que "as pessoas não podem desistir da sua vida como o Governo quer impor".

O coordenador do BE salientou que "o país mudou na sexta-feira", quando o primeiro-ministro anunciou as novas medidas de austeridade para 2013, afirmando que o Governo de Pedro Passos Coelho e de Paulo Portas "terminou os seus dias".

"Este Governo terminou os seus dias, não pode continuar a ser tolerado ou aceite pelas pessoas que estão a sofrer. Se as pessoas deixarem, no ano seguinte será pior. Esta gente é assim, nunca para, é assim o fanatismo", referiu.

Louçã lembrou os muitos que já criticaram as novas medidas de austeridade anunciadas pelo Governo, entre eles Bagão Félix, ex-ministro da Solidariedade Social e das Finanças de anteriores executivos de maioria PSD/CDS-PP, e muitos empresários.

"Temos Bagão Félix a defender a Segurança Social contra a selvajaria do Governo, temos os patrões a dizer que é só para as grandes empresas e ouvi também o diretor da campanha presidencial de Cavaco Silva e outras vozes do PSD a dizer o que todos percebem: que quanto mais se baixa o salário, mais se destrói a economia, e quanto mais se tira às empresas, mais desemprego se cria, pois não há consumo", referiu

Francisco Louçã criticou também o "silêncio envergonhado do CDS, que prometeu não baixar impostos", e referiu que enfrentar este Governo não é dizer que se vota contra o orçamento, numa mensagem destinada a António José Seguro, secretário-geral do PS.

"O PS dirá o que quer fazer. Esta gente não tem vergonha e enfrentá-los não é apenas dizer que não se quer o orçamento, é dizer que o caminho da 'troika' é o caminho do desastre. Para isso é preciso uma esquerda de combate e é esse o combate do BE e o convite que fazemos a todos e queremos unir muitas forças", disse.

Sobre apresentação das conclusões da quinta avaliação da 'troika' ao programa de ajustamento económico português, que vai ser feita hoje pelo ministro das Finanças, Vítor Gaspar, Louçã referiu que vai haver "disfarce, embuste e mais medidas de austeridade".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.