Quem são os brasileiros que estão a fazer a campanha eleitoral de Passos Coelho

O "doseamento" das aparições públicas de Passos Coelho - que vai evitar os Gato Fedorento e ainda não tem o seu rosto em nenhum cartaz da coligação - é gerido por uma equipa vinda do Brasil

Não é só o PS que tem um "marqueteiro" brasileiro - Edson Athayde - a ajudar o partido no marketing eleitoral. A coligação PSD-CDS também tem, por via do PSD, com quem esses técnicos trabalham pelo menos desde 2011. Têm sido eles a "dosear" as aparições públicas de Passos Coelho enquanto cabeça de lista da coligação em Lisboa. Ontem, o líder do PSD foi entrevistado na CMTV (ver texto em baixo) mas ainda não respondeu aos pedidos da RTP e da SIC para entrevistas individuais.

Ao contrário de António Costa, Jerónimo de Sousa, Catarina Martins ou Paulo Portas, Passos Coelho recusou, por exemplo, ser entrevistado no programa que os Gato Fedorento emitirão a partir de dia 14 na TVI, em canal aberto, no jornal da noite. Até agora, os outdoors da coligação têm também evitado os rostos de Passos Coelho ou de Paulo Portas - ao contrário do que acontece em relação aos respetivos protagonistas nas campanhas do PS e do Bloco de Esquerda, por exemplo.

O estado-maior onde a equipa está instalada fica na Rua Alexandre Herculano. André Gustavo, de 47 anos, nasceu no Recife e é sócio da Arcos Comunicação, fundada pelo pai. Colaborou com as campanhas Luís Filipe Menezes, é amigo de Marco António Costa (vice-presidente do PSD e principal responsável, pelo lado social-democrata, na campanha da coligação) e ainda de Miguel Relvas (que tem negócios no Brasil). Nas legislativas de 2011 já ajudou a campanha vitoriosa de Passos Coelho. Quando foi ao Brasil em junho de 2014, o primeiro-ministro português fez questão de passar no Recife para estar com André Gustavo.

Leia mais na edição impressa ou no e-paper do DN

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

Conhecem a última anedota do Brexit?

Quando uma anedota é uma anedota merece ser tratada como piada. E se a tal anedota ocupa um importante cargo histórico não pode ser levada a sério lá porque anda com sapatos de tigresa. Então, se a sua morada oficial é em Downing Street, o nome da rua - "Downing", que traduzido diz "cai, desaba, vai para o galheiro..." - vale como atual e certeira análise política. Tal endereço, tal país. Também o número da porta de Downing Street, o "10", serve hoje para fazer interpretações políticas. Se o algarismo 1 é pela função, mora lá a primeira-ministra, o algarismo 0 qualifica a atual inquilina. Para ser mais exato: apesar de ela ser conservadora, trata-se de um zero à esquerda. Resumindo, o que dizer de uma poderosa governante que se expõe ao desprezo quotidiano do carteiro?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A escolha de uma liberdade

A projeção pública da nossa atividade, sobretudo quando, como é o caso da política profissional, essa atividade é, ela própria, pública e publicamente financiada, envolve uma certa perda de liberdade com que nunca me senti confortável. Não se trata apenas da exposição, que o tempo mediático, por ser mais veloz do que o tempo real das horas e dos dias, alargou para além da justíssima sindicância. E a velocidade desse tempo, que chega a substituir o tempo real porque respondemos e reagimos ao que se diz que é, e não ao que é, não vai abrandar, como também se não vai atenuar a inversão do ónus da prova em que a política vive.

Premium

Marisa Matias

Penalizações antecipadas

Um estudo da OCDE publicado nesta semana mostra que Portugal é dos países que mais penalizam quem se reforma antecipadamente e menos beneficia quem trabalha mais anos do que deve. A atual idade de reforma é de 66 anos e cinco meses. Se se sair do mercado de trabalho antes do previsto, o corte é de 36% se for um ano e de 45%, se forem três anos. Ou seja, em três anos é possível perder quase metade do rendimento para o qual se trabalhou uma vida. As penalizações são injustas para quem passou, literalmente, a vida toda a trabalhar e não tem como vislumbrar a possibilidade de deixar de fazê-lo.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

O planeta dos sustentáveis 

Ao ambiente e ao planeta já não basta a simples manifestação da amizade e da esperança. Devemos-lhes a prática do respeito. Esta é, basicamente, a mensagem da jovem e global ativista Greta Thunberg. É uma mensagem positiva e inesperada. Positiva, porque em matéria de respeito pelo ambiente, demonstra que já chegámos à consciencialização urgente de que a ação já está atrasada em relação à emergência de catástrofes como a de Moçambique. Inesperada (ao ponto do embaraço para todos), pela constatação de que foi a nossa juventude, de facto e pela onda da sua ação, a globalizar a oportunidade para operacionalizar a esperança.