Que partidos perderiam num Parlamento com 181 deputados

Imagine que as eleições legislativas em 2011 tinham acontecido com um Parlamento com 181 deputados - como aquele que António José Seguro agora propõe, em vez dos atuais 230.

Numa projeção absolutamente linear dos resultados então obtidos, sem redesenho dos círculos mas apenas a redução proporcional do número de deputados que cada um elegeria, quem sairia reforçado seriam os partidos da direita, PSD e CDS; e quem teria saído a perder seria a esquerda - sobretudo o PCP.

A número dois da lista do BE no Porto (que foi a atual coordenadora do partido, Catarina Martins), os cabeças de lista da CDU em Évora e do PSD em Beja (respetivamente, João Oliveira e Carlos Moedas), ou o número três do PS em Santarém (João Galamba, da oposição interna a Seguro) não teriam sido eleitos.

Leia mais pormenores no e-paper do DN

Exclusivos

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O voluntariado

A voracidade das transformações que as sociedades têm sofrido nos últimos anos exigiu ao legislador que as fosse acompanhando por via de várias alterações profundas à respetiva legislação. Mas há áreas e matérias em que o legislador não o fez e o respetivo enquadramento legal está manifestamente desfasado da realidade atual. Uma dessas áreas é a do voluntariado. A lei publicada em 1998 é a mesma ao longo destes 20 anos, estando assim obsoleta perante a realidade atual.