Quais os deputados que mais faltam? Esta aplicação mostra-lhe

Uma nova aplicação regista a assiduidade de todos os deputados da Assembleia da República. Os dois mais faltosos são do PSD e do PS.

Carlos Páscoa Gonçalves (PSD) e João Soares (PS) são os deputados mais faltosos nas reuniões plenárias do Parlamento. É essa a informação que consta em O Ponto do Parlamento, aplicação web que regista a assiduidade de todos os deputados da Assembleia da República.

Esta ferramenta, que reúne a informação disponibilizada pelo site da Assembleia da República e que a apresenta de forma mais simplificada, diz que Carlos Páscoa Gonçalves tem 131 faltas justificadas e 15 por estar em missão parlamentar e que João Soares tem uma falta injustificada, 65 justificadas e 80 por estar em missão parlamentar. No total, cada um deles faltou a 146 das 451 reuniões parlamentares que se realizaram.

Telmo Correia, do CDS, é o deputado com mais faltas injustificadas, seis; e Mota Amaral, do PSD, é aquele que mais faltou por estar em missão parlamentar, com 96 ausências de reuniões plenárias.

A informação pode ser ainda organizada por partidos ou por legislatura. De acordo com o site, o PSD, com 108 deputados, tem 3040 faltas registadas, 27 das quais injustificadas. O PS, com 74 deputados tem 2575 faltas, também com 27 injustificadas.

Na atual legislatura foram dadas 6696 faltas.

O Ponto do Parlamento é uma ferramenta desenvolvida pela WaveWeb, que acredita que "facilitar o escrutínio público da assiduidade dos deputados pode contribuir para aproximar os cidadãos dos seus representantes".

Exclusivos

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Uma opinião sustentável

De um ponto de vista global e a nível histórico, poucos conceitos têm sido tão úteis e operativos como o do desenvolvimento sustentável. Trouxe-nos a noção do sistémico, no sentido em que cimentou a ideia de que as ações, individuais ou em grupo, têm reflexo no conjunto de todos. Semeou também a consciência do "sustentável" como algo capaz de suprir as necessidades do presente sem comprometer o futuro do planeta. Na sequência, surgiu também o pressuposto de que a diversidade cultural é tão importante como a biodiversidade e, hoje, a pobreza no mundo, a inclusão, a demografia e a migração entram na ordem do dia da discussão mundial.