PSD recupera maioria absoluta na Madeira duas horas após perdê-la

Assembleia de apuramento dos votos nulos e contestados deu à CDU o terceiro deputado e roubou a maioria absoluta ao PSD na Madeira. Afinal era um erro do sistema informático.

O sistema informático não estava a reconhecer os votos de Porto Santo na conversão automática dos votos para mandatos. Quando o erro foi retificado, o PSD recuperou o 24º deputado regional. O PSD reconquistou assim a maioria absoluta, que tinha perdido duas horas antes após o edital ter sido afixado com a eleição de um terceiro deputado da CDU.

A assembleia tinha feito uma primeira análise dos votos nulos e protestados das eleições regionais da Madeira e tinha apurado que a CDU tinha os votos que necessitava para conseguir o terceiro deputado e para roubar a maioria absoluta ao PSD na Madeira. Afinal era apenas um erro informático.

Na segunda recontagem, o PSD venceu com maioria absoluta (44,3%) as eleições regionais antecipadas na Madeira de domingo.

O delegado da Comissão Nacional de Eleições (CNE), João Almeida, considerou "um erro lamentável" o engano verificado no programa informático que ditou a perda da maioria absoluta ao PSD e a eleição de mais um deputado à CDU. "É verdade, é um erro lamentável que se deve à estrutura particular da nomenclatura das unidades territoriais das regiões autónomas do conceito ilha que não existe no resto do território nacional, mas isso não quer dizer que não seja, na mesma, indesculpável", reconheceu.

João Almeida explicou que "os resultados apurados, em termos de votos, estão certos, o programa devia ter operado sobre esse total e, em vez disso, operou sobre o total da ilha da Madeira ignorando a ilha do Porto Santo".

"Feita a distribuição correta, apura-se que o quociente dos votos obtidos pelo PSD a dividir pelos 24 deputados, o vigésimo quarto é superior ao quociente dos resultados da CDU a dividir por três, portanto, caberia ao PSD o vigésimo quarto e a CDU com dois", acrescentou.

(Notícia atualizada às 23.46)

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.