PSD e CDS representados no congresso do PS pelos 'vices'

Marco António Costa e Nuno Melo vão marcar presença no congresso do Partido Socialista, este fim de semana.

A maioria PSD/CDS-PP estará representada no encerramento do Congresso do PS, no domingo, com delegações encabeçadas por dois vice-presidentes, Marco António Costa, no caso dos sociais-democratas, e Nuno Melo, pelos centristas, revelaram hoje os partidos.

A delegação do PCP vai ser encabeçada pelo membro da Comissão Política do Comité Central Carlos Gonçalves, e a comitiva do Bloco de Esquerda será constituída pelos membros da Mesa Nacional Helena Pinto e Ricardo Moreira.

A delegação do PSD é composta pelo vice-presidente, coordenador da Comissão Política Nacional e porta-voz, Marco António Costa, pelo secretário-geral, José Matos Rosa, e pelo presidente da Distrital de Lisboa do PSD, Miguel Pinto Luz.

O CDS-PP estará representado pelo vice-presidente Nuno Melo, pelo presidente do Conselho Nacional, Telmo Correia, pelo presidente da concelhia de Lisboa, João Gonçalves Pereira, e pelo coordenador autárquico, Domingos Doutel.

Pelo partido LIVRE, Rui Tavares deverá ser o escolhido para se dirigir ao XX Congresso Nacional socialista, segundo disse à Lusa uma fonte do partido.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.