PSD e CDS representados no congresso do PS pelos 'vices'

Marco António Costa e Nuno Melo vão marcar presença no congresso do Partido Socialista, este fim de semana.

A maioria PSD/CDS-PP estará representada no encerramento do Congresso do PS, no domingo, com delegações encabeçadas por dois vice-presidentes, Marco António Costa, no caso dos sociais-democratas, e Nuno Melo, pelos centristas, revelaram hoje os partidos.

A delegação do PCP vai ser encabeçada pelo membro da Comissão Política do Comité Central Carlos Gonçalves, e a comitiva do Bloco de Esquerda será constituída pelos membros da Mesa Nacional Helena Pinto e Ricardo Moreira.

A delegação do PSD é composta pelo vice-presidente, coordenador da Comissão Política Nacional e porta-voz, Marco António Costa, pelo secretário-geral, José Matos Rosa, e pelo presidente da Distrital de Lisboa do PSD, Miguel Pinto Luz.

O CDS-PP estará representado pelo vice-presidente Nuno Melo, pelo presidente do Conselho Nacional, Telmo Correia, pelo presidente da concelhia de Lisboa, João Gonçalves Pereira, e pelo coordenador autárquico, Domingos Doutel.

Pelo partido LIVRE, Rui Tavares deverá ser o escolhido para se dirigir ao XX Congresso Nacional socialista, segundo disse à Lusa uma fonte do partido.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os aspirantes a populistas

O medo do populismo é tão grande que, hoje em dia, qualquer frase, ato ou omissão rapidamente são associados a este bicho-papão. E é, de facto, um bicho-papão, mas nem tudo ou todos aqueles a quem chamamos de populistas o são de facto. Pelo menos, na verdadeira aceção da palavra. Na semana em que celebramos 45 anos de democracia em Portugal, talvez seja importante separarmos o trigo do joio. E percebermos que há políticos com quem podemos concordar mais ou menos e outros que não passam de reles cópias dos principais populistas mundiais, que, num fenómeno de mimetismo - e de muito oportunismo -, procuram ocupar um espaço que acreditam estar vago entre o eleitorado português.