"PSD e CDS inviabilizaram acordo de salvação nacional"

"Durante esta semana fizemos tudo o que podiamos", disse o secretário-geral do PS, numa declaração poucas horas depois de ter estado reunido com Cavaco Silva em Belém.

António José Seguro comunicou esta posição dos socialistas numa "declaração ao país", cerca de uma hora antes de se iniciar a Comissão Política Nacional do PS.

"O PSD e o CDS inviabilizaram um 'compromisso de salvação nacional'. Este processo demonstrou que estamos perante duas visões distintas e alternativas para o nosso país: Manter a direção para que aqueles que, como o PSD e o CDS, entendem que está tudo bem; ou dar um novo rumo a Portugal para aqueles que, como nós, consideram que portugueses não aguentam mais sacrifícios e que esta política não está a dar os resultados pretendidos", justificou o secretário-geral do PS na sua declaração inicial.

Tal como afirmara na quinta-feira, no parlamento, António José Seguro referiu que as propostas apresentadas pelo PS ao longo do processo negocial com o PSD e CDS estão escritas.

"Que fique claro para todos os portugueses o que cada um defendeu. A nossa proposta está escrita, fundamentada e à disposição de todos os portugueses no site do PS", alegou o líder socialista.

Na sua declaração, o secretário-geral do PS apontou também que a proposta de diálogo tripartido apresentada pelo Presidente da República surgiu na sequência "de uma grave crise política aberta pelas demissões do ministro [de Estado e das Finanças] Vítor Gaspar e do ministro [de Estado e dos Negócios Estrangeiros] Paulo Portas, crise política a que se soma a tragédias social e a espiral recessiva em que o atual Governo mergulhou o país".

No entanto, segundo Seguro, na sequência do apelo do chefe de Estado para que se abrisse um diálogo político, "o PS disse sim".

"Não poderia ser de outra forma quando o interesse nacional nos chama e é o futuro dos portugueses que está em causa. Quisemos um diálogo com todos, participámos no diálogo de boa-fé e empenhámo-nos em alcançar um compromisso", sustentou.

António José Seguro referiu ainda que, ao longo da última semana, pelo facto de estarem a decorrer conversações, se remeteu ao "silêncio" e cancelou "toda a atividade pública, garantindo assim a necessária descrição em prol do êxito deste compromisso".

"Infelizmente, nem todos assim procederam", rematou, numa crítica indireta ao primeiro-ministro e presidente do PSD, Pedro Passos Coelho.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.