PSD defende que pasta de Moedas prova acerto da escolha

O PSD destacou esta terça-feira o valor do orçamento que Carlos Moedas vai gerir enquanto comissário europeu com a pasta da Investigação, Ciência e Inovação, e defendeu que isso prova o acerto da escolha feita pelo primeiro-ministro.

Em declarações aos jornalistas, na Assembleia da República, o vice-presidente do PSD José Matos Correia referiu que Carlos Moedas "vai gerir, ao abrigo de um programa comunitário até 2020, verbas na ordem dos 80 mil milhões de euros", que constitui "o maior programa gerido diretamente pela Comissão Europeia em termos do que representa financeiramente".

Segundo o dirigente e deputado social-democrata, "trata-se do reconhecimento das competências e da qualidade do engenheiro Carlos Moedas" e "trata-se também de um reconhecimento do acerto da escolha feita por Portugal e, em particular, pelo primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho".

"A atribuição de uma pasta com esta relevância e, repito, gerindo um envelope financeiro desta dimensão é a prova de que a escolha foi correta", reforçou José Matos Correia.

Questionado sobre as notícias de que era esperado que fosse atribuída a Carlos Moedas a pasta do emprego, o vice-presidente do PSD respondeu: "Não tenho a mais pequena confirmação de que fosse essa a pasta, o que interessa é aquilo que é a decisão final".

"O facto de ser uma pasta que gere um envelope financeiro desta dimensão dá-lhe, inequivocamente, uma relevância de primeiro plano, ao nível de outras que pudessem eventualmente ser atribuídas a Portugal, de idêntica relevância", acrescentou.

De acordo com José Matos Correia, os Estados Unidos da América têm atualmente uma "supremacia muito significativa" na área da inovação e da ciência, e o programa que Carlos Moedas vai gerir é "um plano no sentido de alterar este estado de coisas, e fazer da Europa um centro motor do desenvolvimento da inovação e da ciência ao nível global".

José Matos Correia alegou ainda que a atribuição da pasta da Investigação, Ciência e Inovação ao comissário indicado pelo Governo português "é o reconhecimento da seriedade" e da "credibilidade" de Portugal no plano internacional, e mencionou Durão Barroso.

"Depois de termos tido o presidente da Comissão Europeia durante dez anos, e de termos podido constatar como isso foi importante para a credibilidade internacional do país, o facto de termos um comissário com uma pasta desta relevância sublinha uma vez mais a credibilidade que o nosso país tem assumido no plano internacional e o reconhecimento dessa mesma credibilidade", disse.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Erros de um sonhador

Não é um espetáculo bonito ver Vítor Constâncio contagiado pela amnésia que tem vitimado quase todos os responsáveis da banca portuguesa, chamados a prestar declarações no Parlamento. Contudo, parece-me injusto remeter aquele que foi governador do Banco de Portugal (BdP) nos anos críticos de 2000-2010 para o estatuto de cúmplice de Berardo e instrumento da maior teia de corrupção da história portuguesa, que a justiça tenta, arduamente, deslindar.

Premium

João Taborda da Gama

Por que não votam os açorianos?

Nesta semana, os portugueses, a ciência política em geral, e até o mundo no global, foram presenteados com duas ideias revolucionárias. A primeira, da lavra de Rui Rio, foi a de que o número de deputados do Parlamento fosse móvel tendo em conta os votos brancos e nulos. Mais brancos e nulos, menos deputados, uma versão estica-encolhe do método de Hondt. É a mesma ideia dos lugares vazios para brancos e nulos, que alguns populistas defendem para a abstenção. Mas são lugares vazios na mesma, medida em que, vingando a ideia, havia menos pessoas na sala, a não ser que se fizesse no hemiciclo o que se está a fazer com as cadeiras dos comboios da ponte, ou então que nestes anos com mais brancos e nulos, portanto menos deputados, se passasse a reunir na sala do Senado, que é mais pequenina, mais maneirinha. A ideia é absurda. Mas a esquerda não quis ficar para trás neste concurso de ideias eleitorais e, pela voz do presidente do Governo Regional dos Açores, Vasco Cordeiro, chega-nos a ideia de incentivar votos com dinheiro.