PSD condena declarações "inoportunas" e "infelizes" de Pedro Nuno Santos

O PSD condenou hoje as declarações "inoportunas" e "infelizes" do dirigente socialista Pedro Nuno Santos sobre pagamento da dívida, sublinhando que sem o dinheiro da ajuda internacional os salários e pensões não podem ser pagas.

"O PS foi pedir dinheiro no início deste ano para salvar este país e passado meses diz que não a querem pagar ? Lavam as mãos como Pilatos", acusou o deputado do PSD Nuno Encarnação, numa declaração política no plenário da Assembleia da República. Recuperando as declarações proferidas no sábado pelo vice-presidente da bancada socialista Pedro Nuno Santos, quando aquele dirigente do PS defendeu que Portugal devia ameaçar deixar de pagar a dívida nacional, Nuno Encarnação reiterou o empenho do Governo em cumprir os compromissos internacionais, apelando a "uma postura responsável da oposição", porque se o país não cumprir "quem treme são os trabalhadores e os pensionistas".

"Nenhum português consegue compreender que em nome do confronto político e do discurso partidário se coloque em segundo lugar os interesses nacionais", disse, acrescentando que "Portugal e os portugueses não podem perder tempo com protagonismos estéreis e discursos insensatos". Na resposta, o deputado do PS José Junqueiro acusou o PSD de estar a invocar um "fait-divers' para "esconder o que é essencial". "Nós estamos comprometidos com o rigor e a disciplina orçamental, mas não podemos aprovar um Conselho Europeu em que em vez de uma agenda para o crescimento e o emprego, os senhores se submeteram a um desemprego imparável e a políticas de austeridades que somam a políticas de austeridade", disse José Junqueiro, que sentado a seu lado na primeira fila da bancada socialista Pedro Nuno Santos.

Recordando que personalidades importantes do PSD, como Manuela Ferreira Leite ou Eduardo Catroga, não acompanham a política orçamental defendida pelo Governo, José Junqueiro questionou a bancada social-democrata sobre quais as medidas que o Governo está a tomar para promover o crescimento e o emprego. "Onde é que está a resolução dos problemas fundamentais do país? Está nisto, em "fait-divers' que o senhor traz a este Parlamento apenas para tentar ofender deputados", criticou José Junqueiro. Na resposta, Nuno Encarnação insistiu em classificar as declarações de Pedro Nuno Santos de "enormidades", recusando a ideia de estar a ofender alguém.

"Não fui eu que ofendi alguém, se houve alguém que ofendeu os portugueses dizendo a dizer que não queria cumprir a dívida foi o seu colega que está aí sentado ao seu lado", frisou. Pelo CDS-PP, o deputado Hélder Amaral fez também uma breve referência às declarações de Pedro Nuno Santos, classificando-as como um "episódio lamentável". A única bancada a confessar o seu "agrado" em relação às declarações do vice-presidente da bancada socialista foi a do PCP, com o deputado Paulo Sá a afirmar que se tratou do reconhecimento, "embora tardio", de que o único caminho para Portugal é a renegociação da dívida externa. No final do período de discussão em volta da declaração política do PSD, os deputados socialistas Pedro Nuno Santos e Basílio Horta pediram para usar da palavra "em nome da defesa da honra pessoal". Contudo, e conforme prevê o regimento da Assembleia da República, as declarações de defesa da honra apenas serão proferidas no final do período reservado para as declarações políticas em plenário.

Ler mais

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.