PSD com maioria absoluta em freguesias da Feira

O candidato do PSD ganhou este domingo as eleições intercalares para a Junta da União de Freguesias de Lobão, Gião, Louredo e Guisande, no concelho da Feira, obtendo desta vez maioria absoluta.

José Henriques já fora o cabeça-de-lista do PSD nas autárquicas de 2013 e vencera por maioria de votos, mas, tendo eles refletido um número de eleitos igual ao do PS, fracassaram após sucessivas tentativas de formação de um executivo, do que resultou a demissão em bloco dos elementos do PSD e o agendamento de nova ida às urnas.

Agora, o candidato laranja conseguiu eleger sete deputados contra cinco do PS e um do CDS-PP, pelo que garantiu à Lusa: "As coisas vão estar mais facilitadas no que se refere à constituição de um executivo".

José Henriques realça, contudo, que uma parte do trabalho que tem pela frente não beneficiará de facilidades. "Se tudo fica mais fácil por um lado, por outro também fica muito mais complicado, porque temos muita coisa para fazer e perdemos um ano de trabalho", explica.

A prioridade será, por isso e "antes de tudo, a reorganização [de procedimentos] nas quatro freguesias da União, onde há muita coisa por fazer" desde a reforma administrativa.

"Com tempo é que vamos ver em que estado estão as freguesias e quais são as necessidades específicas de cada uma", observa José Henriques.

Em segundo lugar, o cabeça-de-lista do PSD propõe-se definir um orçamento para todo o território e o respetivo plano de atividades. "Isso não pôde ser feito até agora por não haver Executivo", observa. "Agora vamos demorar pelo menos meio ano a tratar disso e só depois é que podemos começar com o trabalho realmente no terreno", avisa.

A União de Freguesias de Lobão, Gião, Louredo e Guisande conta com um universo de 9.788 eleitores inscritos, dos quais 4.590 compareceram hoje nos quatro locais de voto criados para o efeito em todo o território - do que resulta uma taxa de abstenção de 53%.

Segundo informações da Câmara Municipal de Santa Maria da Feira, o PSD obteve um total de 2.331 boletins favoráveis à sua candidatura, seguindo-se o PS com 1.758 e o CDS com 418. A CDU não conseguiu eleger um representante, ficando-se pelos 97 votos.

Dos 4.590 eleitores que se deslocaram às urnas, 88 depositaram nelas votos brancos e 78 viram os respetivos boletins anulados.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.