PS: Zorrinho recusa colocar cenário da sua demissão

O líder parlamentar do PS, Carlos Zorrinho, recusou hoje em absoluto colocar o cenário da sua demissão, depois de confrontado com as críticas à atuação da direção do partido na revisão dos estatutos e sobre as leis laborais.

Carlos Zorrinho falava aos jornalistas depois de ser interrogado sobre uma eventual sugestão do ex-ministro dos Assuntos Parlamentares para que se demita.

"Perguntem ao doutor Jorge Lacão, mas se foi uma sugestão não estou nada tentado, absolutamente nada tentado, a aceitá-la", disse Carlos Zorrinho.

O presidente da bancada socialista foi questionado pelos jornalistas sobre uma intervenção do deputado e ex-ministro dos Assuntos Parlamentares Jorge Lacão na reunião do grupo parlamentar socialista, em que terá dito que por coisas menores já se demitiu no passado de líder parlamentar.

"A discussão dos estatutos será feita na sede própria, que é a Comissão Nacional do Partido Socialista", afirmou Zorrinho.

O líder da bancada do PS argumentou também que "não se pode analisar os estatutos fora do seu contexto".

"Ou seja, havendo neste momento liberdade de voto, sendo essa liberdade de voto definida estatutariamente, também é normal que as sanções para quem não cumpra disciplina de voto sejam também definidas estatutariamente", acrescentou.

Jorge Lacão negou aos jornalistas ter sugerido a demissão de Carlos Zorrinho.

"Confirmo que fiz uma intervenção sobre a proposta de revisão de estatutos do PS, na parte que diz respeito ao processo de designação dos titulares de cargos políticos e ao modo de relacionamento dos titulares de cargos políticos e do próprio partido", afirmou Lacão aos jornalistas.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.