PS retira agendamento de diplomas sobre reforma política

O líder parlamentar demissionário convocou para terça-feira de manhã uma reunião da direção da bancada para retirar o agendamento dos diplomas sobre reforma do sistema político e para preparar eleições na bancada.

Segundo fonte da direção da bancada socialista, a decisão de retirar o agendamento dos diplomas referentes à reforma do sistema político será depois formalizada logo a seguir, ainda ao fim da manhã de terça-feira, em reunião da conferência de líderes parlamentares.

O PS fez um agendamento potestativo para a próxima quarta-feira para debater um projeto de lei para reforçar as incompatibilidades de titulares de cargos políticos e para alterar a lei eleitoral para a Assembleia da República.

No entanto, estas iniciativas do secretário-geral demissionário do PS, António José Seguro, foram imediatamente contestadas pela maioria dos deputados socialistas e pelo recém-eleito candidato do PS a primeiro-ministro, António Costa, que no domingo derrotou Seguro em eleições primárias.

A corrente liderada por António Costa contestou sobretudo o projeto de deliberação de Seguro para reduzir de 230 para 181 o número de deputados.

Face ao resultado verificado no domingo, em que António Costa venceu as eleições com cerca de dois terços dos votos, um vice-presidente do Grupo Parlamentar do PS disse à agência Lusa que a direção da bancada socialista deixou de reunir condições políticas para levar aqueles temas a plenário.

Na reunião da direção da bancada do PS, estará também em análise o processo para a realização de novas eleições para a direção do Grupo Parlamentar.

No domingo à noite, na sequência dos resultados verificados nas eleições primárias e da demissão de António José Seguro do cargo de secretário-geral, Alberto Martins também apresentou a sua demissão do cargo de presidente do Grupo Parlamentar, invocando razões de "ordem política e pessoais".

Exclusivos

Premium

Leonídio Paulo Ferreira

Nuclear: quem tem, quem deixou de ter e quem quer

Guerrilha comunista na Grécia, bloqueio soviético de Berlim Ocidental ou Guerra da Coreia são alguns dos acontecimentos possíveis para datar o início da Guerra Fria, que alguns até fazem remontar à partilha da Europa em esferas de influência por Churchill e Estaline ainda o nazismo não tinha sido derrotado. Mas talvez 29 de agosto de 1949, faz agora 70 anos, seja a melhor opção, afinal nesse dia a União Soviética fez explodir a sua primeira bomba atómica e o monopólio da arma pelos Estados Unidos desapareceu. Sim, foi o teste em Semipalatinsk que estabeleceu o tal equilíbrio do terror, primeiro atómico e depois nuclear, que obrigou as duas superpotências a desistirem de uma Guerra Quente.