PS quer novo pacto para emprego e contrato social

Os socialistas defendem quatro eixos de ação para "um novo rumo para Portugal", em que se propõem firmar um "pacto para o emprego" e "um novo compromisso com o contrato social".

Estas propostas serão hoje apresentadas, na internet, quando do lançamento oficial do site da Convenção "Novo Rumo", onde a direção de António José Seguro espera recolher opiniões de portugueses e construir o seu programa de governo.

A partir das 16.00 será possível ler uma declaração, subscrita por várias personalidades (com António José Seguro à cabeça, Carlos Zorrinho, coordenador do Laboratório de Ideias, Sampaio da Nóvoa, antigo reitor da Universidade de Lisboa, o embaixador Francisco Seixas da Costa, o economista Manuel Caldeira Cabral ou a conselheira europeia Maria João Rodrigues, entre outros), onde se estabelecem quatro grandes pontos de intervenção para os socialistas.

Logo a abrir aponta-se "uma prioridade", a do emprego, avançando uma proposta de "um "pacto para o emprego" a todas as forças políticas e a todos os parceiros sociais", que segundo o documento de 13 páginas (ver ficheiro anexo) deve concretizar "um novo acordo de concertação social de médio prazo, em torno de políticas orientadas para o emprego e de medidas concretas de combate à precariedade e à pobreza".

Os socialistas defendem a necessidade de "um novo compromisso com o contrato social", introduzindo "uma fronteira nítida entre público e privado, a começar pela área da Saúde que é aquela que mais afeta a vida das pessoas".

Exclusivos