PS quer explicações sobre dívidas da Câmara de Gaia

O secretário nacional do Partido Socialista (PS), António Galamba, acusou hoje o antigo vice-presidente da Câmara Municipal de Gaia Marco António Costa de ser um dos responsáveis pela dívida da autarquia e pediu explicações sobre o tema.

O DN publica hoje um trabalho sobre a situação financeira da Câmara Municipal de Vila Nova de Gaia com o título "Gaia em risco de falência com dívida próxima dos 300 milhões", referindo que o município é o segundo "mais endividado do país, só batido por Lisboa".

"Verificámos hoje que a Câmara Municipal de Gaia está à beira da falência e tem uma dívida de 300 milhões de euros. Perante o que temos assistido nos últimos dias, sobretudo do dr. Marco António, percebemos bem porque é que ele tem falado sobre bancarrota e sobre políticas antigas. Porque de facto ele é um dos rostos responsáveis por esta situação e era bom que desse explicações ao país", afirmou António Galamba.

O PS considera "inaceitável este comportamento" e sublinha que, sendo Marco António Costa (que deixou a Câmara de Gaia em 2011) "um dos pais desta criança de 300 milhões de dívida na Câmara Municipal de Gaia (...) não tem autoridade moral para vir falar sobre o país e lançar permanentes reptos em relação ao PS quando depois na Assembleia [da República] a prática dos deputados é chumbarem as propostas do PS".

Marco António Costa, atualmente porta-voz do Partido Social Democrata (PSD), contactado pela Lusa remeteu uma reação para a tarde de hoje.

Em novembro do ano passado, o novo presidente da Câmara Municipal de Gaia, Eduardo Vítor Rodrigues, disse que as dívidas da autarquia colocavam-na numa "situação penalizadora e difícil", tendo encerrado o primeiro semestre de 2013 com 232 milhões de dívida.

No mês seguinte, Eduardo Vítor Rodrigues afirmava que, em janeiro, se iria reunir com o Ministério das Finanças para discutir o "peso" das dívidas da autarquia, mostrando-se preocupado com a "solvência" do município.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...