PS quer explicações sobre dívidas da Câmara de Gaia

O secretário nacional do Partido Socialista (PS), António Galamba, acusou hoje o antigo vice-presidente da Câmara Municipal de Gaia Marco António Costa de ser um dos responsáveis pela dívida da autarquia e pediu explicações sobre o tema.

O DN publica hoje um trabalho sobre a situação financeira da Câmara Municipal de Vila Nova de Gaia com o título "Gaia em risco de falência com dívida próxima dos 300 milhões", referindo que o município é o segundo "mais endividado do país, só batido por Lisboa".

"Verificámos hoje que a Câmara Municipal de Gaia está à beira da falência e tem uma dívida de 300 milhões de euros. Perante o que temos assistido nos últimos dias, sobretudo do dr. Marco António, percebemos bem porque é que ele tem falado sobre bancarrota e sobre políticas antigas. Porque de facto ele é um dos rostos responsáveis por esta situação e era bom que desse explicações ao país", afirmou António Galamba.

O PS considera "inaceitável este comportamento" e sublinha que, sendo Marco António Costa (que deixou a Câmara de Gaia em 2011) "um dos pais desta criança de 300 milhões de dívida na Câmara Municipal de Gaia (...) não tem autoridade moral para vir falar sobre o país e lançar permanentes reptos em relação ao PS quando depois na Assembleia [da República] a prática dos deputados é chumbarem as propostas do PS".

Marco António Costa, atualmente porta-voz do Partido Social Democrata (PSD), contactado pela Lusa remeteu uma reação para a tarde de hoje.

Em novembro do ano passado, o novo presidente da Câmara Municipal de Gaia, Eduardo Vítor Rodrigues, disse que as dívidas da autarquia colocavam-na numa "situação penalizadora e difícil", tendo encerrado o primeiro semestre de 2013 com 232 milhões de dívida.

No mês seguinte, Eduardo Vítor Rodrigues afirmava que, em janeiro, se iria reunir com o Ministério das Finanças para discutir o "peso" das dívidas da autarquia, mostrando-se preocupado com a "solvência" do município.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz amanhã, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.