PS nunca esteve perto de acordo com Governo no IRC

O Partido Socialista afirmou hoje que nunca esteve perto de um consenso com o Governo para a reforma do Imposto sobre o Rendimento de Pessoas Coletivas (IRC), contrariando afirmações do líder do CDS/PP e vice-primeiro-ministro, Paulo Portas.

"O Dr. Paulo Portas parece ter um problema com a aritmética, fala da aprovação de 70% das propostas do Partido Socialista em sede de IRC, mas a verdade é que até agora, e tanto quanto sabemos, foram aprovadas duas das 10 propostas do PS", disse à agência Lusa Óscar Gaspar, da Comissão Política socialista.

Óscar Gaspar referia-se s declarações de Paulo Portas à imprensa na quinta-feira, quando o líder dos centristas e vice-primeiro-ministro disse que Governo e PS estiveram "quase" a chegar a acordo relativamente à reforma do IRC e que no final foram os socialistas que recuaram.

"Se aprovaram tanta coisa do Partido Socialista onde é que está a taxa de IRC reduzida para os lucros das Pequenas e Médias Empresas (PME), onde é que está a taxa de IRC agravada para as grandes empresas, onde é que está a taxa de IRC para as empresas do interior do país, onde é que está a proposta do Partido Socialista para que futuras reduções de IRC estejam relacionadas também com reduções de IRS e de IVA?", questionou.

Nada disso está porque, infelizmente, (...) não foram aprovadas aquelas propostas que o Dr. Paulo Portas disse que tinham sido aprovadas, acrescentou o elemento da comissão política do PS.

Para Óscar Gaspar, as declarações de Paulo Portas contêm ainda um "problema de ordem política".

"Quando o Dr. Paulo Portas diz que estivemos próximo de um acordo e depois houve alguém que voltou atrás tal não corresponde à verdade", referiu.

"A verdade é que ontem [quinta-feira] o Partido Socialista estava em condições de fazer todas as votações do IRC, foi a pedido do Governo e de partidos que suportam o Governo que a votação foi transferida de ontem para hoje e, inexplicavelmente, aquilo que ontem podia ter sido conseguido em termos de um consenso hoje pelos vistos os partidos da maioria entenderam chumbar as propostas do Partido Socialista", concluiu.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O FMI, a Comissão Europeia e a direita portuguesa

Os relatórios das instituições internacionais sobre a economia e a política económica em Portugal são desde há vários anos uma presença permanente do debate público nacional. Uma ou duas vezes por ano, o FMI, a Comissão Europeia (CE), a OCDE e o Banco Central Europeu (BCE) - para referir apenas os mais relevantes - pronunciam-se sobre a situação económica do país, sobre as medidas de política que têm vindo a ser adotadas pelas autoridades nacionais, sobre os problemas que persistem e sobre os riscos que se colocam no futuro próximo. As análises que apresentam e as recomendações que emitem ocupam sempre um lugar destacado na comunicação social no momento em que são publicadas e chegam a marcar o debate político durante meses.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.