PS fica à espera das propostas do Governo

Socialistas já foram recebidos por Paulo Portas e Marques Guedes para discutir reforma do Estado. "Uma reunião desfasada no tempo" em que PS se limitou a comunicar a sua posição.

Foi já depois da meia noite deste domingo que foi feito o anúncio das reuniões que o Governo manterá ao longo desta segunda e terça-feira com os partidos parlamentares. E nove horas depois, o líder parlamentar socialista, Alberto Martins, e o 'vice' da bancada rosa, António Braga, entraram na sala do Governo, na Assembleia da República, para uma reunião que se prolongaria por uma hora com o vice-primeiro-ministro, Paulo Portas, e o ministro dos Assuntos Parlamentares, Marques Guedes. Sem resultados à vista.

Os socialistas ficam a aguardar as propostas sectoriais do Executivo para discutir "as reformas do Estado". "O Governo tem o dever de apresentar as suas propostas e o PS estará disponível para as discutir sectorialmente", sublinhou Alberto Martins.

Perante a insistência dos jornalistas, que interpelaram o deputado sobre as propostas contidas no guião da reforma do Estado (divulgado por Portas a 30 de outubro), Martins sublinhou que falta ao Governo "apresentar propostas concretas".

De resto, o líder parlamentar do PS notou que esta era "uma reunião desfasada no tempo": "Há mais de um ano que tínhamos proposto uma nova metodologia para a reforma do Estado", recordou, referindo-se a uma iniciativa do seu grupo parlamentar de 7 de novembro que foi então chumbada pela maioria.

"Perdeu-se um ano", apontou Alberto Martins, para acrescentar que o que agora acontece "é uma encenação eleitoral". E reiterou que os socialistas estão "disponíveis para um debate público ao nível das comissões parlamentares". Com um aviso: "Reformas sectoriais para justificar cortes, não aceitamos."

Exclusivos

Premium

Leonídio Paulo Ferreira

Nuclear: quem tem, quem deixou de ter e quem quer

Guerrilha comunista na Grécia, bloqueio soviético de Berlim Ocidental ou Guerra da Coreia são alguns dos acontecimentos possíveis para datar o início da Guerra Fria, que alguns até fazem remontar à partilha da Europa em esferas de influência por Churchill e Estaline ainda o nazismo não tinha sido derrotado. Mas talvez 29 de agosto de 1949, faz agora 70 anos, seja a melhor opção, afinal nesse dia a União Soviética fez explodir a sua primeira bomba atómica e o monopólio da arma pelos Estados Unidos desapareceu. Sim, foi o teste em Semipalatinsk que estabeleceu o tal equilíbrio do terror, primeiro atómico e depois nuclear, que obrigou as duas superpotências a desistirem de uma Guerra Quente.