PS diz que o atual executivo "tem de sair todo"

O PS desvalorizou hoje a escolha dos novos ministros Marques Guedes e Miguel Poiares Maduro em substituição de Miguel Relvas, considerando que o atual Governo "deve sair todo" e que Portugal precisa de um novo executivo.

Esta posição foi assumida pelo líder parlamentar socialista, Carlos Zorrinho, depois de ter sido anunciado que o professor universitário de direito Miguel Poiares Maduro exercerá as funções de ministro adjunto e do Desenvolvimento Regional e o atual secretário de Estado Luís Marques Guedes será empossado ministro da Presidência e dos Assuntos Parlamentares, ambos em substituição de Miguel Relvas.

De acordo com o presidente do grupo parlamentar do PS, "os portugueses sabem que não é pelo facto de sair um ministro e entrarem dois outros ministros que alguma coisa se altera numa política de austeridade que tem vindo a asfixiar a economia portuguesa e a criar tantos problemas na nossa sociedade".

"A verdade é que o Governo tem que sair todo. O PS considera que Portugal precisa de um Governo novo", declarou o líder da bancada socialista.

Interrogado sobre as escolhas do primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, para substituir Miguel Relvas nas funções de ministro adjunto e dos Assuntos Parlamentares, Carlos Zorrinho recusou-se a comentar nomes.

"O dr. Marques Guedes é deveras conhecido e o professor Miguel Poiares Maduro será certamente uma pessoa estimável. O que está em jogo já não são nomes, mas a necessidade de um Governo novo e a necessidade de mudar este Governo", acrescentou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.