PS diz que há um milhão de pessoas a procurar emprego

O PS registou hoje que já há um milhão de portugueses à procura de emprego e questionou o Governo sobre o que espera ainda para alterar de vez uma política que "destrói a economia e a sociedade".

Estas posições foram assumidas pelo coordenador da bancada socialista para as questões do trabalho, Nuno Sá, a meio da reunião semanal do Grupo Parlamentar do PS.

O Instituto Nacional de Estatística (INE) divulgou hoje que a taxa de desemprego subiu em Portugal para os 17,7% no primeiro trimestre, face aos 16,9% observados no trimestre anterior, com o número de desempregados no país a ultrapassar os 950 mil.

Segundo os dados do INE, a taxa de desemprego aumentou em termos trimestrais 0,8 pontos percentuais e 2,8 pontos percentuais face ao período homólogo.

Perante estes dados, Nuno Sá disse que o PS concluiu que a taxa de desemprego "voltou a disparar", indiciando que há "um milhão de portugueses que procuram emprego".

"Estes números deviam sensibilizar o Governo, deviam fazê-lo alterar o rumo das suas políticas. Em Portugal, o sistema de segurança social só tem um risco: As políticas de destruição da economia e do emprego", advogou deputado socialista.

Para o deputado do PS, a atual política seguida pelo Governo está a gerar "um ciclo vicioso de diminuição das contribuições para a segurança social por contraponto a um constante aumento das despesas sociais, designadamente com o subsídio de desemprego".

"É preciso que os portugueses saibam que esta política do Governo PSD/CDS-PP é a única ameaça à sustentabilidade do sistema de segurança social", acusou, antes de colocar ao Governo algumas questões.

"Com estes números do desemprego, com esta destruição económica e social em Portugal do que está o Governo à espera para alterar a orientação política que tem prosseguido em todos os domínios? Que razões levam a que o Governo não mude a sua política?", perguntou o dirigente socialista.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Falem do futuro

O euro, o Erasmus, a paz. De cada vez que alguém quer defender a importância da Europa, aparece esta trilogia. Poder atravessar a fronteira sem trocar de moeda, ter a oportunidade de passar seis meses a estudar no estrangeiro (há muito que já não é só na União Europeia) e - para os que ainda se lembram de que houve guerras - a memória de que vivemos o mais longo período sem conflitos no continente europeu. Normalmente dizem isto e esperam que seja suficiente para que a plateia reconheça a maravilha da construção europeia e, caso não esteja já convertida, se renda ao projeto europeu. Se estes argumentos não chegam, conforme o país, invocam os fundos europeus e as autoestradas, a expansão do mercado interno ou a democracia. E pronto, já está.