PS diz que assumirá "diálogo" para alternativa sólida

O líder parlamentar do PS, Carlos Zorrinho, declarou hoje que o seu partido assumirá o "diálogo político e social" para uma "alternativa sólida", após reiterar a necessidade de eleições legislativas antecipadas, em declaração política no Parlamento.

O seu homólogo social-democrata, Luís Montenegro, embora admitindo a "gravidade da situação política" em Portugal, optou por apelar ao "sentido de Estado" dos socialistas, com vista a proteger o país da "instabilidade dos mercados".

"O PS assumirá em plenitude as suas responsabilidades, do diálogo político e social, de submeter aos portugueses uma alternativa sólida e o compromisso de concretizar um novo rumo para Portugal", disse o deputado socialista.

Zorrinho considerou que "existe uma única solução" porque "a Constituição não engana" e "é necessário devolver a voz aos portugueses", exigindo "eleições para restaurar a confiança e a esperança".

"Este Governo chegou ao fim. Temos ministros, mas não temos Governo. É confrangedora a falta de sentido de Estado da maioria e a atitude do primeiro-ministro", afirmou, citando as recentes "baixas", Vítor Gaspar e Paulo Portas.

Cavaco Silva reúne-se ainda hoje com o líder do maior partido da oposição, o socialista António José Seguro, após demissões daqueles dois ministros de Estado, respetivamente responsáveis pelas Finanças e os Negócios Estrangeiros.

Portas, líder democrata cristão, está reunido com a comissão executiva do CDS-PP a analisar o seu pedido de demissão ainda por aceitar por Passos Coelho.

"Nesta bancada, não ignoramos a gravidade da situação política. No primeiro governo de Sócrates, também saíram o ministro das Finanças e o dos Negócios Estrangeiros em menos de um ano", contrariou Montenegro.

O líder parlamentar do PSD criticou também a "postura política do PS, que vem afirmando há vários meses a necessidade de eleições antecipadas" porque tal facto tem efeitos de "instabilidade nos mercados".

"O que é que um processo de eleições pode trazer à vida das pessoas? Este é momento em que todos devemos ter serenidade e sentido de Estado para não desperdiçar o sacrifício e o esforço de tantas empresas e de tantas famílias", disse.

Zorrinho atribuiu a "culpa da crise ao primeiro-ministro e à maioria que o apoia" e que "tinha o propósito de cortar pensões e despedir funcionários públicos", algo que a "dividiu irremediavelmente" e colocou "todos os outros portugueses do outro lado da barricada".

Nenhum deputado do CDS-PP quis interpelar o líder da bancada socialista.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.