PS apoia corte de 15% nas subvenções de políticos

O líder parlamentar do PS manifestou-se hoje a favor da proposta do Governo de cortar em 15 por cento as subvenções vitalícias dos titulares de cargos políticos, embora admita que a medida possa ter caráter retroativo.

Carlos Zorrinho falava aos jornalistas na Assembleia da República, numa declaração em que frisou que o direito de os titulares de cargos políticos terem uma subvenção vitalícia foi revogado em outubro de 2005 por um Governo do PS.

"Trata-se agora de reduzir as subvenções dos titulares que já tinham adquirido esse direito à data da revogação. Em nome da equidade na repartição dos sacrifícios, obviamente que o PS votará a favor da proposta feita pela maioria [PSD/CDS]", afirmou o presidente cessante do Grupo Parlamentar socialista.

Interrogado sobre a possibilidade de a medida ter um caráter retroativo, Carlos Zorrinho admitiu que "poderá conter um pouco esse princípio".

"Mas é [tomada] num contexto de equidade e também num contexto de defesa da imagem (que é muito importante) da política e dos políticos. O reforço dessa imagem é fundamental para podermos ultrapassar com sucesso o momento difícil que o país vive em consequência das más políticas aplicadas pelo Governo", respondeu o dirigente socialista.

Questionado sobre a ideia do CDS de eliminar totalmente as subvenções vitalícias dos políticos, Carlos Zorrinho salientou que apenas se referiu ao corte de 15 por cento.

"Nós estamos a favor dessa proposta, reafirmando que a revogação das subvenções foi feita por um Governo socialista em 2005", acrescentou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

A "taxa Robles" e a desqualificação do debate político

A proposta de criação de uma taxa sobre especulação imobiliária, anunciada pelo Bloco de Esquerda (BE) a 9 de setembro, animou os jornais, televisões e redes sociais durante vários dias. Agora que as atenções já se viraram para outras polémicas, vale a pena revistar o debate público sobre a "taxa Robles" e constatar o que ela nos diz sobre a desqualificação da disputa partidária em Portugal nos dias que correm.

Premium

Rosália Amorim

Crédito: teremos aprendido a lição?

Crédito para a habitação, crédito para o carro, crédito para as obras, crédito para as férias, crédito para tudo... Foi assim a vida de muitos portugueses antes da crise, a contrair crédito sobre crédito. Particulares e também os bancos (que facilitaram demais) ficaram com culpas no cartório. A pergunta que vale a pena fazer hoje é se, depois da crise e da intervenção da troika, a realidade terá mudado assim tanto? Parece que não. Hoje não é só o Estado que está sobre-endividado, mas são também os privados, quer as empresas quer os particulares.