PS anuncia propostas de alteração à lei do arrendamento

O líder parlamentar do PS, Carlos Zorrinho, anunciou hoje que os socialistas vão apresentar propostas de alteração à nova lei do arrendamento para minorar o seu "impacto social" negativo e desafiou a maioria a convergir.

"Vamos agendar propostas no sentido de repor o prazo de 15 anos para o ajustamento dos contratos, como está aliás no programa de Governo e do PSD, propostas para que haja apoio jurídico não apenas aos proprietários mas também aos inquilinos e propostas para que seja clarificado o modelo de apoio social àqueles que têm dificuldades concretas com a aplicação desta lei", afirmou o presidente da bancada socialista.

Carlos Zorrinho falava aos jornalistas no final da reunião semanal do grupo parlamentar do PS.

O líder parlamentar socialista disse que os deputados da sua bancada estão "muito preocupados com o impacto que tem tido a aplicação da nova lei do arrendamento" e defendeu que é preciso manter "a justiça e a dinâmica no mercado das rendas".

Nas suas declarações, Zorrinho reiterou que "a política do Governo falhou" e apelou ao executivo para ter "a lucidez de convergir com as propostas que o PS tem vindo a fazer há mais de um ano".

Questionado sobre qual será a atitude do PS caso o Governo não acolha estas propostas, Carlos Zorrinho referiu que primeiro estas vão ser entregues e que na próxima semana haverá "vários debates em que o Governo pode dar um sinal se converge" ou se quer "continuar a divergir delas e continuar a flagelar os portugueses".

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.