PS antecipa 21 medidas para 21 causas. E quer rigor e transparência nas obras públicas

Socialistas anunciaram bolsas de habitação acessível, médicos de família para 500 mil portugueses, um "simplex ambiental" e a adoção por casais do mesmo sexo entre as medidas reveladas. Obras públicas até 2020 são aquelas que estão já previstas.

Socialistas anunciaram bolsas de habitação acessível, médicos de família para 500 mil portugueses, um "simplex ambiental" e a adoção por casais do mesmo sexo entre as medidas reveladas. Obras públicas até 2020 são aquelas que estão já previstas

O secretário-geral do PS, António Costa, revelou esta quarta-feira que os socialistas querem que todas as infra-estruturas e grandes investimentos em obras públicas sejam aprovados na Assembleia da República, "mediante uma maioria qualificada de dois terços". E assegurou que o programa eleitoral do partido é equilibrado e rigoroso nas contas que faz.

António Costa recusa que este seja "um programa de facilitismo", afirmando que é antes "um programa que faz escolhas". "Tem aumento de despesa, mas também tem redução de despesa; tem redução de receita mas também de despesa", explicou.

Para o líder do PS, que apresentou o que disse serem "marcas de uma nova governação", o "ciclo de planeamento e execução" das obras públicas "tem de estar sintonizado com o calendário das perspetivas financeiras" da União Europeia. Assim, só as obras públicas previstas no quadro de apoio Portugal 2020 serão realizadas até 2020. Depois disso, a próxima legislatura deve ser de planeamento e identificação das prioridades de infra-estruturas para o próximo quadro de apoio de 2020 a 2027, sinalizou António Costa, apresentando a Bruxelas as propostas em 2018 e "aproveitar desde a primeira hora os fundos disponíveis".

Neste capítulo, Costa disse querer instituir um Conselho Superior de Obras Públicas, que "dê parecer" a todos os investimentos, com os projetos de execução a serem sujeitos a um período de audição pública e restabelecendo as funções de auditores nos ministérios envolvidos, "num combate à corrupção".

O líder socialista antecipou ainda para a "próxima legislatura" a "reforma da lei eleitoral", que "respeite escrupulosamente a proporcionalidade", "a distribuição equitativa de partes do território" e "a representação plural", com a criação de círculos uninominais.

21 medidas para 21 causas

Já o coordenador do Grupo de Estudos do PS, João Tiago Silveira, que tem preparado o programa eleitoral socialista antecipou 21 medidas para 21 causas, que serão todas calendarizadas, quando for divulgada a versão definitiva do programa na Convenção Nacional de 5 e 6 de junho.

As medidas pretendem responder a um "desafio" que permita "um Estado forte, inteligente e moderno" e as 21 causas inscrevem-se em cinco pilares: "As pessoas primeiro"; "valorizar o nosso território"; "prioridade à inovação"; "mais coesão, menos desigualdades"; e "um Portugal global".

Se o PS for governo, João Tiago Silveira prometeu bolsas de "habitação acessível", a instalação de 100 novas unidades de saúde familiar em quatro anos para dar médicos de família a 500 mil portugueses, um "simplex ambiental", a renovação do compromisso de fazer aprovar a adoção plena por casais do mesmo sexo e incentivos à mobilidade académica nas regiões de fronteira.

Ao falar da necessidade de "garantir a sustentabilidade da Segurança Social", o socialista retomou a porta aberta pelo documento do cenário macro-económico na taxa social única (TSU), mas fazendo depender "uma redução da taxa contributiva para a Segurança Social a cargo das empresas" da consolidação das "fontes de financiamento alternativas".

Outra medida anunciada é criar uma conta-corrente entre o Estado e o contribuinte, retomando uma proposta da direção de António José Seguro, para que "pessoas com rendimento abaixo de um certo montante e empresas com IRC abaixo de certo valor possam compensar créditos com dívidas que tenham ao fisco e à Segurança Social até um limite de valor"

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.