PS acusa maioria de esconder dois anos de Governo

O PS acusou hoje a maioria PSD/CDS de usar um documento "oficioso" e "sem contraditório" de proposta de conclusões da comissão de inquérito às parcerias público-privadas (PPP) para "esconder" um balanço "trágico" de dois anos de governo.

Estas críticas foram feitas pelo líder parlamentar socialista, Carlos Zorrinho, em declarações aos jornalistas, após a reunião semanal da bancada do PS.

"O PS regista o enorme nervosismo da maioria PSD/CDS com o facto de dois anos de governação darem azo a um balanço trágico. Face a esse balanço, a maioria não se coíbe de usar todos os instrumentos para atirar areia para os olhos dos portugueses", afirmou Carlos Zorrinho.

Carlos Zorrinho considerou então que a maioria PSD/CDS está a utilizar um documento "ainda oficioso, sem contraditório", uma proposta de relatório da comissão parlamentar de inquérito sobre as PPP, para "procurar esconder aquilo que os portugueses sentem todos os dias".

"A saúde está pior, o desemprego é mais forte e a economia está asfixiada. O PS quer que se saiba toda a verdade em todas as comissões de inquérito e, por isso, viabilizou-as todas, mas não permitiremos que a maioria PSD/CDS use esses expedientes para esconder que em dois anos a vida dos portugueses piorou, a economia está pior e as pessoas têm menos acesso à saúde e à educação", acrescentou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.

Premium

Opinião

Angola, o renascimento de uma nação

A guerra do Kosovo foi das raras seguras para os jornalistas. Os do poder, os kosovares sérvios, não queriam acirrar ainda mais a má vontade insana que a outra Europa e a América tinham contra eles, e os rebeldes, os kosovares muçulmanos, viam nas notícias internacionais o seu abono de família. Um dia, 1998, 1999, não sei ao certo, eu e o fotógrafo Luís Vasconcelos íamos de carro por um vale ladeado, à direita, por colinas - de Mitrovica para Pec, perto da fronteira com o Montenegro. E foi então que vi a esteira de sucessivos fumos, adiantados a nós, numa estrada paralela que parecia haver nas colinas.