PS abstém-se da greve e clama pela concertação

"O PS não toma posição sobre a greve geral" da próxima quinta-feira e, "enquanto partido político, não participa" nela, disse ontem ao DN Miguel Laranjeiro, dirigente socialista responsável pelos assuntos sociais e laborais.

No congresso da Corrente Sindical Socialista (CSS) da CGTP-IN, que hoje será encerrado pelo líder do PS António José Seguro, Laranjeiro não falou do tema - apesar de a greve ser tema central do congresso e de o apelo à participação estar afixado no púlpito.

Depois do anúncio da abstenção no Orçamento de 2012 - sem condições, mas com críticas e propostas de negociação (ver caixa) -, o PS dá o mesmo sinal para as ruas: não será pelo maior partido da oposição que a luta aquece desde já. A direcção do PS diz, mesmo assim, que "compreende os fundamentos para a convocação da greve e respeita a posição do movimento sindical".

Leia mais pormenores no e-apaper do DN

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Crespo

E uma moção de censura à oposição?

Nos últimos três anos, o governo gozou de um privilégio raro em democracia: a ausência quase total de oposição. Primeiro foi Pedro Passos Coelho, que demorou a habituar-se à ideia de que já não era primeiro-ministro e decidiu comportar-se como se fosse um líder no exílio. Foram dois anos em que o principal partido da oposição gritou, esperneou e defendeu o indefensável, mesmo quando já tinha ficado sem discurso. E foi nas urnas que o país mostrou ao PSD quão errada estava a sua estratégia. Só aí é que o partido decidiu mudar de líder e de rumo.