Protestos interrompem por momentos plenário da AR

Os trabalhos no plenário da Assembleia da República foram hoje interrompidos por breves momentos, depois de cerca de três dezenas de pessoas da Inter-Reformados/CGTP terem começado a gritar "Fascismo nunca mais, 25 de Abril sempre".

Os gritos de protesto começaram a ouvir-se das galerias logo após a conclusão da discussão da petição "Contra as injustiças, contra o roubo dos subsídios de férias e Natal, contra o empobrecimento", iniciativa da Inter-Reformados/CGTP.

De imediato o vice-presidente da Assembleia da República António Filipe, que se encontrava a conduzir o plenário, anunciou "uma pausa" nos trabalhos.

O grupo que se encontrava nas galerias foi, então, encaminhado para a saída por elementos da PSP.

Os trabalhos do plenário da Assembleia da República foram depois retomados.

No final, e falando aos jornalistas fora da Assembleia da República, uma representante da Inter-Reformados/CGTP disse que o protesto "era o mínimo" que as dezenas de pessoas podiam fazer "na casa da democracia".

"É um grito do nosso descontentamento e mal estar", declarou Fátima Canavezes aos jornalistas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Estou a torcer por Rio apesar do teimoso Rui

Meu Deus, eu, de esquerda, e só me faltava esta: sofrer pelo PSD... É um problema que se agrava. Antigamente confrontava-me com a fria ministra das Finanças, Manuela Ferreira Leite, e agora vejo a clarividente e humana comentadora Manuela Ferreira Leite... Pacheco Pereira, um herói na cruzada anti-Sócrates, a voz mais clarividente sobre a tragédia da troika passista... tornou-se uma bússola! Quanto não desejei que Rangel tivesse ganho a Passos naquele congresso trágico para o país?!... Pudesse eu escolher para líder a seguir a Rio, apostava tudo em Moreira da Silva ou José Eduardo Martins... O PSD tomou conta dos meus pesadelos! Precisarei de ajuda...?

Premium

arménios na síria

Escapar à Síria para voltar à Arménia de onde os avós fugiram

Em 1915, no Império Otomano, tiveram início os acontecimentos que ficariam conhecidos como o genocídio arménio. Ainda hoje as duas nações continuam de costas voltadas, em grande parte porque a Turquia não reconhece que tenha havido uma matança sistemática. Muitas famílias procuraram então refúgio na Síria. Agora, devido à guerra civil que começou em 2011, os netos daqueles que fugiram voltam a deixar tudo para trás.