Protestos interrompem por momentos plenário da AR

Os trabalhos no plenário da Assembleia da República foram hoje interrompidos por breves momentos, depois de cerca de três dezenas de pessoas da Inter-Reformados/CGTP terem começado a gritar "Fascismo nunca mais, 25 de Abril sempre".

Os gritos de protesto começaram a ouvir-se das galerias logo após a conclusão da discussão da petição "Contra as injustiças, contra o roubo dos subsídios de férias e Natal, contra o empobrecimento", iniciativa da Inter-Reformados/CGTP.

De imediato o vice-presidente da Assembleia da República António Filipe, que se encontrava a conduzir o plenário, anunciou "uma pausa" nos trabalhos.

O grupo que se encontrava nas galerias foi, então, encaminhado para a saída por elementos da PSP.

Os trabalhos do plenário da Assembleia da República foram depois retomados.

No final, e falando aos jornalistas fora da Assembleia da República, uma representante da Inter-Reformados/CGTP disse que o protesto "era o mínimo" que as dezenas de pessoas podiam fazer "na casa da democracia".

"É um grito do nosso descontentamento e mal estar", declarou Fátima Canavezes aos jornalistas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

DN Life

DN Life. «Não se trata o cancro ou as bactérias só com a mente. Eles estão a borrifar-se para o placebo»

O efeito placebo continua a gerar discussão entre a comunidade científica e médica. Um novo estudo sugere que há traços de personalidade mais suscetíveis de reagir com sucesso ao referido efeito. O reumatologista José António Pereira da Silva discorda da necessidade de definir personalidades favoráveis ao placebo e vai mais longe ao afirmar que "não há qualquer hipótese ética de usar o efeito placebo abertamente".