"Precisávamos de acabar com estes partidos"

José Miguel Júdice diz que "era preciso um golpe de Estado ou uma revolução que mudasse o sistema político português.

Em entrevista ao Jornal de Negócios, o advogado José Miguel Júdice afirma que era preciso um golpe de estado ou uma revolução que mudasse o sistema político. "Precisávamos de acabar com estes partidos, era preciso haver um golpe de estado ou uma revolução que mudasse o sistema político português. Era preciso uma ruptura." Para Júdice a "única solução é optarmos pelo presidencialismo". E para isso, diz, era preciso ir buscar "uma grande figura humanista", entre o PSD e o PS, "respeitada pelas elites", uma pessoa que "dê algum sossego aos conservadores e algum sonho áqueles mais favoráveis à mudança".

Para José Miguel Júdice, a crise política atual "é um caso típico de dois adolescentes tardios. Duas pessoas (Passos Coelho e Paulo Portas) que têm enormes qualidades, mas que nunca fizeram a sua maturação".

Sobre o contexto em que o país se encontra, Júdice considera que "o grande problema do Estado Social é que durante 30 anos foi possível, na Europa, dar tudo a todos. Dar tudo à classe média-baixa, dar tudo aos milionários, às empresas, aos que estão a envelhecer e aos que estão a nascer e não houve ninguém no mundo que não dissesse: Óptimo!" A fatura, diz, paga-se agora.

Frases

"O Passos Coelho e o Seguro são a mesma pessoa. São amigos, tratam-se por tu. Depois atacam-se em público como se fossem os maiores inimigos. Os políticos insultam-se todos os dias e fazem as pazes todos os dias".

"Não se pode insultar pessoas impunemente, mas acho ridículo que Cavaco Silva se ofenda por lhe chamarem palhaço. Percebo a sua reação, o que não percebo é que não tenha tido outras, porque já lhe chamaram coisas bem piores".

"Portas é um emocional, e tem uma componente histérica"

"Cavaco Silva é um político pouco corajoso que não fez as reformas que era preciso fazer e quando havia uma conjuntura que o permitia".

"Cavaco quer estar, no momento em que estivermos á beira do abismo, em condições de salvar a civilização"