"Portugueses são geniais, capazes de todos os esforços"

O DN entrevistou Jean-Claude Juncker. Ex-primeiro-ministro do Luxemburgo e ex-presidente do Eurogrupo é candidato do Partido Popular Europeu à presidência da Comissão Europeia.

Que medidas inovadoras pode trazer à União Europeia para melhorar a vida dos europeus?

Temos de fazer progressos na consolidação orçamental. Temos de lançar um verdadeiro mercado único digital na Europa. Com isso, em cinco anos, acrescentaremos uns euro500 mil milhões à economia europeia e três milhões de empregos. Origina-remos fortes retornos. É uma proposta que vou realizar.

É ex-governante de um país de imigrantes portugueses, o que diria aos cidadãos que não encontram soluções em Portugal e têm de emigrar?

As condições estão a melhorar. Os desempregados estão descontentes. É muito bom para eles que o País recupere acesso aos mercados. Se em todo o lado os líderes e as pessoas souberem que o País está em condições de sair da crise, as condições de vida vão melhorar. Estou convencido de que o crescimento vai ser substancialmente mais alto em 2015 e o desemprego cairá. Penso que os portugueses têm razões para ter esperança.

Porque entende que deve elogiar-se e felicitar-se os países que concluíram os seus programas?

Houve quem dissesse que os programas não ajudariam. Mas foram aplicados e as provas são que estávamos certos. As pessoas estão verdadeiramente a sofrer, porque os programas tiveram de ser aplicados. Não há razão para censuras. Mas sim para aplaudir.

LEIA MAIS PORMENORES NA EDIÇÃO E-PAPER DO DN

Exclusivos

Premium

Leonídio Paulo Ferreira

Nuclear: quem tem, quem deixou de ter e quem quer

Guerrilha comunista na Grécia, bloqueio soviético de Berlim Ocidental ou Guerra da Coreia são alguns dos acontecimentos possíveis para datar o início da Guerra Fria, que alguns até fazem remontar à partilha da Europa em esferas de influência por Churchill e Estaline ainda o nazismo não tinha sido derrotado. Mas talvez 29 de agosto de 1949, faz agora 70 anos, seja a melhor opção, afinal nesse dia a União Soviética fez explodir a sua primeira bomba atómica e o monopólio da arma pelos Estados Unidos desapareceu. Sim, foi o teste em Semipalatinsk que estabeleceu o tal equilíbrio do terror, primeiro atómico e depois nuclear, que obrigou as duas superpotências a desistirem de uma Guerra Quente.