Portas "nem sequer ia à oral", diz Teixeira dos Santos

O ex-ministro das Finanças, Teixeira dos Santos, considerou, em declarações ao programa Bloco Central da TSF, que o guião da reforma do Estado, apresentado na quarta-feira pelo vice-primeiro-ministro Paulo Portas, mais parece um trabalho escolar feito à pressa com recurso a ideias retiradas da Wikipedia.

"Este documento foi feito por um aluno que tinha de apresentar um trabalho, que falhou o prazo, que não estudou a matéria e que sendo instado a apresentar o trabalho, escreveu-o à pressa", afirmou, em declarações à TSF, no programa Bloco Central. E adiantou ainda que é como se este tivesse sido feito por alguém que foi à "Wikipedia buscar umas ideias, fez um corta-e-cola e apresentou o documento".

Assim, para o também professor de economia Paulo Portas "não passava e nem sequer ia à oral" e que a reforma do Estado "não pode ser tratada com ligeireza"

Além deste assunto, Teixeira dos Santos falou da grave crise económica e financeira na União Europeia, lamentando que o Governo PSD/CDS tenha alinhado sempre com uma estratégia que já mostrou que não dá resultado.

O ex-responsável pela pasta das Finanças no Governo de José Sócrates lembrou que, até 2017, Portugal tem que reduzir o défice a um ritmo superior a 1,4% do PIB ao ano é "uma ilusão" pensar em redução de impostos em 2015.

Nesta rádio portuguesa, Teixeira dos Santos sublinhou que não ficaria surpreendido se os credores internacionais viessem propor que Portugal tenha eleições em meados do próximo ano de 2014.

Exclusivos

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Uma opinião sustentável

De um ponto de vista global e a nível histórico, poucos conceitos têm sido tão úteis e operativos como o do desenvolvimento sustentável. Trouxe-nos a noção do sistémico, no sentido em que cimentou a ideia de que as ações, individuais ou em grupo, têm reflexo no conjunto de todos. Semeou também a consciência do "sustentável" como algo capaz de suprir as necessidades do presente sem comprometer o futuro do planeta. Na sequência, surgiu também o pressuposto de que a diversidade cultural é tão importante como a biodiversidade e, hoje, a pobreza no mundo, a inclusão, a demografia e a migração entram na ordem do dia da discussão mundial.