Portas em combate contra os "caciques" do PSD

"Aqui ou é laranja ou é azul e desta vez a laranja não merece. É o azul que vai ganhar esta câmara. Uma câmara moderna e não uma câmara de caciques", declarou o presidente do CDS, esta tarde em Oliveira de Bairro, onde o partido vai quer derrubar o PSD do poder.

Falando para uma sala com quase 900 pessoas que se juntaram num almoço para apoiar Paulo Caiado, 39 anos, um consultor financeiro que trocou uma carreira profissional em ascensão pela candidatura à presidência do concelho, Paulo Portas sublinhou a importância de renovar a geração dos autarcas. "Dos temas em destaque no seu discurso esteve a agricultura, cujo desempenho na conjuntura económica nacional sublinhou, aproveitando para uma "alfinetada" ao PS. "Se os eleitores tivessem de escolher Assunção Cristas ou Jaime Silva (ex-ministro da agricultura socialista), ela teria uma maioria tão absoluta que o tempo dos socialistas na agricultura faria corar de vergonha o PS".

A execução em 70% do programa de apoio ao desenvolvimento rural (Proder), quando "no tempo dos socialistas era de 20%", os pagamentos únicos antecipados e os pagamentos mensais feitos a tempo foram "realidades" que lembrou aos agricultores."Hoje vemos a nascer na agricultura uma forte onda de investimento, que gera riqueza e emprego. Neste primeiro semestre, foram criados na agricultura mais 7.500 projetos de investimento", completou, sublinhando que "muito se deve à ação "da ministra do CDS no governo de coligação" e que o CDS não se lembra da agricultura "apenas quando é preciso, mas todos os dias".

Paulo Portas voltou a explicar, como tem feito em anteriores ações de campanha, que "os ténues sinais" de recuperação econóica revelam a esperança de Portugal em crescer e destacou o contributo do partido. "A economia portuguesa já saiu do fundo, já lá não voltará e está a começar a dar os primeiros sinais de crescimento", declarou, concluindo que deve ser feito tudo o que estiver ao alcance para o consolidar nos próximos anos.

"Bem sei que alguns não querem crer, mas é importante que a economia tenha tido o primeiro trimestre a crescer, pela primeira vez criado emprego, que as exportações estejam a bater o recorde, que no turismo seja um dos melhores anos de sempre, que o número de empresas que nascem seja maior do que aquelas que desaparecem, que haja sinais interessantes na produção industrial e no consumo alimentar. São sinais ténues, mas é ou não verdade que Portugal quer ter esperança, quer que esses sinais venham a ser uma realidade com mais força?", interrogou.

O dever, afirmou, "é proteger esses sinais, é compreender essa vontade da economia de crescer, é dar condições ao setor privado para investir".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Erros de um sonhador

Não é um espetáculo bonito ver Vítor Constâncio contagiado pela amnésia que tem vitimado quase todos os responsáveis da banca portuguesa, chamados a prestar declarações no Parlamento. Contudo, parece-me injusto remeter aquele que foi governador do Banco de Portugal (BdP) nos anos críticos de 2000-2010 para o estatuto de cúmplice de Berardo e instrumento da maior teia de corrupção da história portuguesa, que a justiça tenta, arduamente, deslindar.

Premium

João Taborda da Gama

Por que não votam os açorianos?

Nesta semana, os portugueses, a ciência política em geral, e até o mundo no global, foram presenteados com duas ideias revolucionárias. A primeira, da lavra de Rui Rio, foi a de que o número de deputados do Parlamento fosse móvel tendo em conta os votos brancos e nulos. Mais brancos e nulos, menos deputados, uma versão estica-encolhe do método de Hondt. É a mesma ideia dos lugares vazios para brancos e nulos, que alguns populistas defendem para a abstenção. Mas são lugares vazios na mesma, medida em que, vingando a ideia, havia menos pessoas na sala, a não ser que se fizesse no hemiciclo o que se está a fazer com as cadeiras dos comboios da ponte, ou então que nestes anos com mais brancos e nulos, portanto menos deputados, se passasse a reunir na sala do Senado, que é mais pequenina, mais maneirinha. A ideia é absurda. Mas a esquerda não quis ficar para trás neste concurso de ideias eleitorais e, pela voz do presidente do Governo Regional dos Açores, Vasco Cordeiro, chega-nos a ideia de incentivar votos com dinheiro.