Pensionistas cantam janeiras em São Bento

Algumas dezenas de reformados e pensionistas concentraram-se hoje junto à residência oficial do primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, para cantar as janeiras, em sinal de protesto contra os cortes nas pensões.

A iniciativa juntou a Inter-reformados de Lisboa, afeta à CGTP, e a FARPIL - Federação das Associações e Organizações de Reformados Pensionistas e Idosos do Distrito de Lisboa.

"Isto já não dá, isto já não dá, queremos eleições já" foram as palavras de ordem entoadas pelos reformados e pensionistas concentrados no local e o refrão escolhido para o canto das janeiras numa versão adaptada às dificuldades que os reformados enfrentam atualmente.

O Governo aprovou na quinta-feira, em Conselho de Ministros, uma proposta de Orçamento Retificativo para 2014 que altera a CES (Contribuição Extraordinária de Solidariedade), determinando que esta taxa se aplique às pensões a partir dos 1.000 euros.

De acordo com a ministra das Finanças, Maria Luís Albuquerque, que falava na quinta-feira em conferência de imprensa, após o Conselho de Ministros, vão ser afetados ao todo mais de 79.862 pensionistas em 2014 face ao passado.

Em comunicado enviado posteriormente, o Ministério da Solidariedade, Emprego e Segurança Social adiantou que a aplicação da CES a pensões a partir dos 1.000 euros (e não a partir dos 1.350 euros, como previsto no Orçamento do Estado para 2014, agora retificado) vai abranger 401.858 pensionistas no total, dos quais 262.577 pertencem ao regime da CGA e 139.281 pertencem ao da Segurança Social.

Desta forma, ficam isentos do pagamento da CES 2.744.273 pensionistas, pertencendo a ampla maioria à Segurança Social (2.425.896 pensionistas) e os restantes 318.377 à CGA, pelo que 87,5% dos pensionistas ficam isentos da aplicação desta contribuição.

Nos termos do Orçamento do Estado para 2014 atualmente em vigor, a CES aplica-se às pensões de valor mensal a partir de 1.350 euros uma taxa progressiva entre 3,5% e 10%, denominada Contribuição Extraordinária de Solidariedade.

A proposta de Orçamento Retificativo para 2014 aprovada na quinta-feira pelo executivo PSD/CDS-PP será enviada à Assembleia da República, onde será debatida e votada a 22 de janeiro, antes de seguir para promulgação pelo Presidente da República.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

Compreender Marques Mendes

Em Portugal, há recorrentemente espaço televisivo para políticos no activo comentarem notícias generalistas, uma especificidade no mundo desenvolvido. Trata-se de uma original mistura entre comentário político e espaço noticioso. Foquemos o caso mais saliente dos dias que correm para tentar perceber a razão dessa peculiaridade nacional. A conclusão é que ela não decorre da ignorância das audiências, da falta de especialistas sobre os temas comentados, ou da inexistência de jornalistas capazes. A principal razão é que este tipo de comentário serve acima de tudo uma forma de fazer política.