PCP: regresso aos mercados condenado desde saída de Gaspar

O líder comunista afirmou hoje que o ex-ministro das Finanças Vítor Gaspar tinha já condenado a data de 23 de setembro e o regresso aos mercados ao assumir que a austeridade fracassou, pois com este Governo "tudo falhou".

"Quem decidiu essa data, quem a anunciou, foi o ministro Gaspar, que se demitiu dizendo que esta política não levaria a lado nenhum. Quando se foi embora levou consigo a data de 23", afirmou Jerónimo de Sousa, numa "arruada" no Porto com muita adesão popular, frisando tratar-se de "mais um falhanço" do Governo PSD/CDS-PP.

O secretário-geral do PS, António José Seguro, classificou o dia de hoje como "um dia negro" e exigiu explicações da parte do primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, enquanto o porta-voz do PSD, Marco António Costa, contrariou, adiantando tratar-se de "um dia histórico" porque Portugal paga "cinco mil milhões de euros" de dívida pública.

"O que é importante é a confirmação de mais um falhanço de um objetivo que foi anunciado como o grande momento de viragem e que, afinal, não se confirmou, não se confirma e a tendência é para o agravamento", continuou o deputado do PCP, depois de subir a rua 31 de janeiro e entrar na movimentada rua de Santa Catarina.

Jerónimo de Sousa, ladeado pelo candidato da Coligação Democrática Unitária, à Câmara Municipal do Porto, Pedro Carvalho - vereador desde 2011 -, defendeu que o primeiro-ministro, Passos Coelho, tem uma "atração para o abismo".

"Tudo falhou. Não conseguiram um único objetivo dos que anunciaram ao povo português. Foi sempre para servir de cobertura à política de austeridade e aos sacrifícios que foram pedidos aos portugueses", disse.

Além dos bombos e da habitual "Carvalhesa" outras músicas de foram ouvindo pelas artérias da Cidade Invicta, designadamente na avenida dos Aliados, onde a candidatura de Luís Filipe Menezes instalou um concorrido "skate park", nos mesmos e variados tons de azul com que decorou um imparável autocarro de dois andares.

A viatura, com apoiantes do autarca de Gaia, originou mesmo uma troca de palavras de ordem com os apoiantes da CDU, no início do passeio.

Mesmo assim, "A CDU avança, com toda a confiança!" e conseguiu o maior evento do género até agora nesta campanha para as eleições autárquicas de domingo, com mais de mil participantes.

Antes, em Viana do Castelo, outra "arruada" teve menos populares, mas ganhou em originalidade, graças a um técnico de eletrónica dos estaleiros navais, de 52 anos, Joaquim Morais, que levou para o percurso pedestre o seu trator do "hobby" da agricultura, apoiando o candidato da CDU na freguesia da Areosa.

Jerónimo de Sousa encerrou mesmo a ação a subir para o atrelado do veículo para agradecer de viva voz à pequena multidão que o acompanhou pelas ruas vianenses.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.